Última conquista do país com sua equipe principal foi justamente uma Copa América, em 1993, no Equador

A Argentina vê na Copa América deste ano, disputada em seu território, a grande oportunidade de acabar com um longo jejum de títulos, que já dura 18 anos. Com uma equipe talentosa, que conta com Messi , Tevez , Higuaín , Aguero , entre outros, a expectativa é ainda maior. Um resultado negativo, no entanto, seria desastroso para a equipe.

"Somos obrigados a vencer porque estaremos na Argentina. As expectativas aqui são grandes. Como em tudo, somos obrigados a ter sucesso", disse o técnico Sergio Batista, que afirmou, porém, que, caso a seleção não conquiste o título, não será uma "fracasso".

A última conquista do país com sua equipe principal foi justamente em uma Copa América, em 1993, no Equador. Agora, a seleção conta com os jogadores que garantiram o bicampeonato olímpico em 2004 e 2008, como Tevez e Messi, e espera voltar a ser vencedora.

A atual fase, no entanto, é preocupante. A Argentina vem de duas derrotas em amistosos. Batista não contava com seus principais jogadores, mas a goleada sofrida para a Nigéria , por 4 a 1, seguida da derrota para a Polônia , por 2 a 1, irritaram o presidente da AFA (Associação do Futebol Argentino), Julio Grondona, que disse que o treinador estava "rifando o prestígio" da seleção .

Sergio Batista, que estava fora do seu país, não participou do treino da seleção argentina nesta quarta-feira por conta de atraso em seu voo, graças às cinzas do vulcão chileno Puyehue, que complicaram o tráfego aéreo. Os principais jogadores convocados, como Tevez, Mascherano e Messi, realizaram suas primeiras atividades com o grupo, comandado pelo auxiliar Alejandro Tocalli.

A Argentina estreia na Copa América no dia 1º de julho, diante da Bolívia, em La Plata. O jogo será válido pelo grupo A, que também contará com a presença de Colômbia e Costa Rica.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.