"Tivemos alguns resultados não tão bons e chegou a hora de dar a volta nisso tudo", disse o lateral do Barça

Getty Images
Lesão de Maicon favoreceu o jogador do Barcelona na disputa pela lateral direita da seleção
Desde que Mano Menezes assumiu a seleção brasileira, em agosto de 2010, o lateral Daniel Alves é o dono da camisa dois. No entanto, a fase ruim da equipe nesta temporada, principalmente na disputa da Copa América, foi simultânea ao período em que o jogador se tornou reserva de Maicon na posição.

Na derrota diante da Alemanha, por 3 a 2, o jogador do Barcelona voltou ao time titular, mas sabe que o Brasil, para deixar as críticas e a pressão de lado, precisa voltar a apresentar um bom futebol e vencer as partidas.

"Tivemos alguns resultados não tão bons e chegou a hora de dar a volta nisso tudo. É mais tranqüilo trabalhar com vitórias", disse Daniel, que entra em campo em Londres, nesta segunda-feira, às 15h45 (de Brasília), para encarar Gana.

Em 2011, o retrospecto do lateral na Seleção Brasileira não é nada favorável. Foram quatro amistosos, com uma vitória (Escócia), um empate (Holanda) e duas derrotas (França e Alemanha). Na disputa da Copa América, mais uma vitória (Equador) e três empates (contra Venezuela e Paraguai, duas vezes).

Um dos empates contra a seleção paraguaia, no entanto, culminaria na eliminação dos brasileiros na fase de quartas de final da competição continental. Nessa partida, Daniel Alves não entrou em campo.

Como técnico do Brasil, Mano Menezes tem 13 partidas, sendo seis vitórias, quatro empates e três derrotas. De acordo com o lateral, um novo momento está prestes a ser vivido: "Tentamos encontrar um equilíbrio, porque sabemos que na Seleção Brasileira a pressão é muito grande. Desde o princípio, buscamos para encontrar um time e a estabilidade, até para trabalharmos com tranqüilidade".

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.