Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Em carta, Ricardo Teixeira anuncia saída da CBF

Dirigente estava no comando da entidade desde 1989. José Maria Marín assume até abril de 2015

Francisco De Laurentiis, Paulo Passos e Vicente Seda, iG Esporte |

Getty Images
Ricardo Teixeira, agora ex-presidente da CBF e do Comitê Organizador Local da Copa do Mundo de 2014

Após 23 anos e dois meses no poder, o presidente da CBF (Confederação Brasileira de Futebol), Ricardo Teixeira, divulgou carta nesta segunda-feira na qual anunciou sua saída da entidade e também do COL (Comitê Organizador Local) da Copa do Mundo de 2014 . O vice-presidente mais velho da CBF, José Maria Marín, ficará no cargo da duas entidades até abril de 2015, quando ocorre a assembleia geral da CBF para avaliação das contas de 2014.

Deixe o seu recado e comente a notícia com outros torcedores

Marín, que leu a carta de Teixeira em coletiva, se emocionou a falar do ex-presidente: "Acompanhei a Copa do Mundo de 1950 [no Brasil] pelo rádio, e quero dar meu testemunho como ex-atleta e brasileiro. O Ricardo Teixeira tornou realidade o sonho de milhões de brasileiros. Eu chorei naquele dia que perdemos para o Uruguai, e agora temos que fazer justiça. O grande responsável por dar esse oportunidade ao Brasil é o Ricardo Teixeira. E presto solidadiredade a outra pessoa que aprendi a admirar e respeitar há muito tempo, o João Havelange. Há pessoas pelas quais temos que ter ao menos respeito. Se não tem gratidão, ao menos respeito tem que ter", afirmou, emocionado.

Divulgação/CBF
Aos 79 anos, Marín é o novo presidente da CBF
RELEMBRE: Os personagens que marcaram a 'era Ricardo Teixeira' na CBF

No comunicado divulgado por Teixeira, o dirigente deixou um "muito obrigado" à torcida brasileira, lembrou os títulos conquistados pela seleção desde que ele assumiu o cargo e afirmou que todas as acusações de corrupção contra ele são "injustas". "Fiz nesses anos o que estava ao meu alcance, sacrificando a saúde. Fui criticado nas derrotas e subvalorizado nas vitórias. Deixo definitivamente a presidência da CBF com a sensação de dever cumprido", escreveu.

HISTÓRIA: Relembre momentos de Ricardo Teixeira no comando da CBF

Teixeira foi 18º presidente da Confederação Brasileira de Futebol, e estava no cargo desde 16 de janeiro de 1989. Seu 5º mandato consecutivo terminou em 2007, mas havia sido foi prolongado (sob acordo) até o final da Copa do Mundo de 2014. O ex-presidente tinha 0,01% da sociedade do COL (99,9% são da CBF), porcentagem que agora é de Marín.

MICO: Marín troca Ronaldo por Romário e diz que medalha era presente

Gazeta Press
Ricardo Teixeira vinha sofrendo com protestos de torcedores por todo o Brasil nos últimos anos
Organizadora da Copa de 2014 no Brasil, a Fifa (Federação Internacional de Futebol e Associados) ainda não se pronunciou sobre a saída de Ricardo Teixeira. Em contato com a reportagem do iG, a assessoria de imprensa da entidade disse que deverá divulgar uma nota em breve sobre o caso. Como presidente do COL, Teixeira tinha obrigações como interlocutor do país com a entidade máxima do futebol. Sem trânsito no Planalto desde 2011, o ex-presidente da CBF e do COL, entretanto, já estava isolado das principais decisões do Governo Federal e da Fifa em relação ao Mundial.

DETONOU: Romário comemora e diz que "Teixeira era câncer do futebol"

Queda anunciada
A saída de Ricardo Teixeira foi arquitetada nos últimos meses. Sem apoio da Fifa, que já trata da Copa do Mundo de 2014 diretamente com o Governo Federal, e sem diálogo com a presidenta Dilma Rousseff, o cartola sofreu com novas denúncias de corrupção.

NOVO PRESIDENTE: Ex-governador, Marin volta aos holofotes após duas décadas

Getty Images
Ainda à frente do COL, Teixeira recebeu o secretário-geral da Fifa, Jèrôme Valcke, em janeiro
Envolvido, segundo a "BBC", em um caso de corrupção dentro da Fifa, que está sendo investigado na Suíça , o brasileiro tem seu nome ligado agora a um escândalo no Brasil. Documentos revelados pela "Folha de S. Paulo" apontaram que o cartola tem ligações com a empresa que superfaturou o amistoso da seleção brasileira contra Portugal, em 2008, no Distrito Federal. O caso foi investigado pela Polícia Civil de Brasília e está na Justiça Federal.

OPINIÕES: Ronaldo já falou que Teixeira tem duplo caráter. Relembre outras frases

Em dezembro, Ricardo Teixeira chegou a pedir uma licença do cargo de presidente da CBF e do COL (Comitê Organizador Local da Copa do Mundo). Durante o período deixou de comparecer ao Mundial Interclubes e ao prêmio de melhor jogador do mundo, importantes eventos da Fifa, onde o dirigente já não goza de prestígio. Nas duas ocasiões, foi representado por José Maria Marin, que o substituiu de forma definitiva por ser o vice-presidente mais velho da entidade.

EX-PRESIDENTE: Relembre frases polêmicas de Teixeira durante seu mandato na CBF

Segundo pessoas próximas a Teixeira, problemas de saúde e questões familiares também o levaram a deixar o cargo. Um funcionário da entidade revelou ao iG que ele se diz cansado e que não aguenta mais o desgaste da sua imagem respingando na vida dos filhos. Em setembro de 2011, Ricardo Teixeira chegou a ser internado no hospital Pró-Cardiáco, na zona Sul do Rio de Janeiro, no Rio de Janeiro. O cartola teve uma crise de diverticulite , processo inflamatório na parede do cólon, ligada ao intestino grosso.

Fifa foi um sonho
Todo poderoso após a confirmação do Brasil como sede da Copa de 2014, em 2007, Teixeira chegou a articular uma provável candidatura a presidência da Fifa para 2015. O plano, entretanto, perdeu força nos últimos meses, quando caiu em desgraça com o atual número 1 da entidade máxima do futebol, Joseph Blatter, ao apoiar Mohamed Bin Hammam nas eleições do ano passado. O ex-presidente da Confederação Asiática de Futebol desistiu da candidatura após revelações de que comprou votos para o pleito.

SOBROU: Renúncia de Teixeira domina Twitter e tem até Celso Roth

Getty Images
Teixeira não tinha trânsito com Dilma Rousseff
Durante o período eleitoral na Fifa, Teixeira voltou atrás e passou a apoiar Blatter. O movimento não foi suficiente para melhorar a relação com o presidente da entidade, que, com a desistência de Bin Hammam, venceu a eleição sem nenhum adversário.

Isolado no Planalto
À frente da CBF desde 1989, Ricardo Teixeira já viveu períodos de isolamento e de aproximação com o Governo Federal. Durante o governo Lula foi aliado do ex-presidente e era recebido pelo alto escalão do Planalto. Com Dilma Rousseff, entretanto, não tem o mesmo trânsito. Desde o ano passado não consegue uma audiência com a presidenta, que já se reporta diretamente à Fifa para tratar dos assuntos referentes a Copa do Mundo de 2014 .

ALBERTO HELENA JR.: Mudança de eixo na CBF

A última aparição pública de Ricardo Teixeira foi no anúncio de Ronaldo como membro do conselho do COL em novembro de 2011 . Desde então, o ex-jogador virou a imagem do comitê . A imagem do ex-jogador, ídolo mundial ligada ao Mundial agrada o Planalto. Nos bastidores, entretanto, Teixeira ainda tinha voz e definia o que deve ser feito pelo “Fenômeno”.

Leia a carta do ex-presidente da CBF, Ricardo Teixeira:

Ser presidente da CBF durante todos esses anos representou na minha vida uma experiência mágica. O futebol, no Brasil, é mais que esporte, mais que competição. É a paixão que envolve, é o sofrimento que alegra, é a fidelidade que unifica. Por essas razões, pensei muito na decisão que ora comunico e pensei muito no que dizer sobre minha decisão.

Presidir paixões não é tarefa fácil. Futebol em nosso país é sempre automaticamente associado a duas imagens: talento e desorganização. Quando ganhamos, despertou o talento. Quando perdemos, imperou a desorganização. Fiz, nestes anos, o que estava ao meu alcance, sacrificando a saúde, renunciando ao insubstituível convívio familiar. Fui criticado nas derrotas e subvalorizado nas vitórias. Mas isso é muito pouco, pois tive a honra de administrar não somente a Confederação de Futebol mais vencedora do mundo, mas também o que o ser humano tem de mais humano: seus sonhos, seu orgulho, seu sentimento de pertencer a uma grande torcida, que se confunde com o país.

Ao trazer a Copa de 2014, o Brasil conquistou o privilégio de sediar o maior e mais assistido evento do mundo, se inseriu na pauta mundial, alavancou mais a economia e aumentou o orgulho de todo o povo brasileiro. Tentei, no limite das minhas forças, organizar os talentos. Nas minhas gestões, criamos os campeonatos de pontos corridos e a Copa do Brasil, aumentamos substancialmente as rendas do futebol brasileiro, desenvolvemos o marketing e, principalmente, vencemos.

Hoje, deixo definitivamente a presidência da CBF com a sensação do dever cumprido. Não há sequência de ataques injustos que se rivalizem à felicidade de ver, no rosto dos brasileiros, a alegria da conquista de mais de 100 títulos, entre os quais duas Copas do Mundo, cinco Copas América e três Copas das Confederações. Nada maculará o que foi construído com sacrifício, renúncia e dor.

A mesma paixão que empolga, consome. A injustiça generalizada, machuca. O espírito é forte, mas o corpo paga a conta. Me exige agora cuidar da saúde. Em obediência ao estatuto da CBF, mais precisamente ao disposto em seu artigo 37, você, meu vice-presidente e ex-governador de São Paulo, José Maria Marin, passa a presidir a CBF. A você, desejo sorte, para que o talento se revele na hora certa; discernimento, para que o futebol brasileiro siga cada vez mais organizado e respeitado; e força, para enfrentar as dificuldades que certamente virão.

Deixo a CBF, mas não deixo a paixão pelo futebol. Até por isso, a partir de hoje e sempre que necessário, coloco-me à disposição da entidade. Reúno-me com mais força à minha família, que entendeu minha missão, apoiou-me sempre e me faz ainda mais feliz. Agradeço de maneira especial aos presidentes de clubes e das federações estaduais, aos dirigentes e colaboradores da CBF, amigos leais em quem sempre encontrei apoio incondicional para o desempenho de meu trabalho. À torcida brasileira, meu muito obrigado. Nunca me esquecerei das taças sendo erguidas. Elas estão no coração de cada um de nós. Elas são um pedaço do Brasil.

Cordiais saudações,

Ricardo Terra Teixeira

Leia tudo sobre: CBFRicardo TeixeiraCopa 2014José Maria MarínCOL

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG