Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Em busca de reforços, Abel aposta no mercado sul-americano

Técnico do Flu acha mais em conta trazer um atleta do continente do que repatriar um brasileiro da Europa

Marello Pires, iG Rio de Janeiro |

A seis dias do fechamento da janela de transferências internacionais, a diretoria do Fluminense precisa correr contra o tempo em busca de reforços. Acertado com Rafael Sobis, que só depende da liberação do Al-Jazira, dos Emirados Árabes, para ser anunciado oficialmente, o clube segue de olho no meia Diego, de saída do Wolfsburg, da Alemanha, no volante Ibson e no atacante Vagner Love, ambos no futebol russo. Mas diante de valores exorbitantes, o mercado sul-americano passou a ser o principal foco de negociações nas Laranjeiras e pode se tornar a solução na busca por um substituto para Conca.

“Ontem (quarta-feira), a diretoria teve uma longa reunião em busca de soluções dentro do prazo que ainda temos. Hoje em dia nenhuma negociação envolvendo jogadores que jogam na Europa sai por menos de 4, 5 milhões. É muito complicado repatriar os brasileiros que saíram do país e querem voltar. O mercado sul-americano é muito mais acessível. Todo sul-americano quer jogar no Brasil”, afirmou oi técnico Abel Braga.

Siga o iG Fluminense no Twitter e receba todas as informações do seu time em tempo real

Enquanto um atleta de ponta no Brasil muitas vezes recebe salários astronômicos que chegam a R$ 500, R$ 600 mil por mês, nos clubes de ponta da América do Sul o custo é quase dez vezes menor.

“O Martinuccio, por exemplo, ganhava 20 mil dólares no Peñarol, que dá menos de R$ 40 mil, e iria ficar feliz da vida em ganhar R$ 100 mil no Brasil. Não tem comparação com o que se paga aqui hoje”, explicou o treinador.

“Entre para a Torcida Virtual do Fluminense e convide seus amigos”

Não bastasse a escassez de opções no mercado em termos financeiros, a parte técnica também tem sido avaliada minuciosamente pelo técnico Abel Braga. Com o objetivo de não quebrar o planejamento traçado a longo prazo, o treinador alerta que o clube precisa errar o mínimo possível na hora de contratar.

“Quero formar um grupo que não seja desfeito em dezembro para começar 2012 com o elenco praticamente montado da maneira que eu gosto, Não podemos errar a mão. Nossa margem de erro tem de ser no máximo de 10%. Estamos com o elenco reduzido, com cerca de 23 ou 24 jogadores, mas ao mesmo tempo temos excesso de atletas em algumas posições, como volantes, por exemplo. Estamos atrás dos reforços e até três jogadores podem chegar nos próximos dias. Não vale a pena citar nomes, porque isso só cria ansiedade no torcedor”, afirmou Abel Braga.
 

Leia tudo sobre: Brasileirão 2011FluminenseAbel Braga

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG