Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

¿É um pecado compará-los¿, diz ex-parceiro de Romário e Ronaldo

Popescu jogou no PSV e no Barcelona com os dois brasileiros. Em entrevista ao iG, romeno fala sobre os ex-atacantes

Paulo Passos, iG São Paulo |

O romeno Gheorghe Popescu se diz um sortudo. Não só por ter atuado em grandes clubes europeus e ter disputado três Copas do Mundo, em 90, 94 e 98. “Eu joguei com os dois maiores atacantes dos últimos tempos”, afirmou ao iG, por telefone, o ex-zagueiro.

Getty Images
Em 1997, Popescu e Ronaldo foram campeões no Barcelona
Popescu atuou com Romário no PSV e com Ronaldo também no clube holandês e no Barcelona. “É um pecado tentar compará-los. Os dois foram geniais, mas com características diferentes. Tinham o mesmo objetivo, mas executavam as jogadas de formas distintas”, diz o ex-jogador.

O romeno classifica Romário como um “goleador dos últimos metros, que conseguia definir as jogadas com pouquíssimo espaço”. Já Ronaldo ele acredita que levava muita vantagem pela explosão única, com muita força física. “Mas era um definidor nato também”, completa.

Segundo o ex-zagueiro, Ronaldo poderia ter sido ainda mais importante para o futebol se não tivesse sofrido tantas lesões. O “Fenômeno” teve três graves na carreira, em 1999, em 2000 e em 2008. “Imagina, sem esses problemas, onde ele teria chegado...”

No Barça, os dois foram campeões da Recopa Europeia e da Copa do Rei, em 1997. Ronaldo era o principal craque do time, e o romeno, o capitão. Juntos, jogaram uma temporada.

Com Romário foram três anos de convivência, de 1990 a 1993, quando o “Baixinho” deixou o PSV para jogar no Barcelona. “Ele já estava cansado do frio da Holanda e também já tinha vencido tudo lá”, lembra o ex-jogador.

Na Espanha, Romário ficou uma temporada e meia e deixou o Barça justamente no mesmo ano em que Popescu chegou ao clube. “Uma pena não ter convivido com ele na Espanha. Mas eu sei como ele sentia falta do Brasil, queria estar no Rio de Janeiro”, afirma.

Getty Images
No PSV, Romário jogou quatro anos até se transferir para o Barcelona


Amigo dos brasileiros

O que Popescu, ou Popi, como era chamado pelos atacantes brasileiros, não consegue dizer é qual dos dois foi mais seu amigo. “Quando cheguei à Holanda, Romário estava lá e me ajudou muito. Me levou aos lugares legais, restaurantes e me convidou para ir a sua casa”, lembra. “Fiz o mesmo com o garoto Ronaldo, quando ele chegou em Barcelona”.

No próximo Natal, Popescu tem uma viagem marcada para o Brasil. Virá com o também ex-jogador Hagi a convite de Taffarel, com quem os dois romenos jogaram no Galatasaray, da Turquia. Até lá, pretende marcar um encontro com Romário e Ronaldo. “É difícil falar com eles, mas vou conseguir. Eles trocam de telefone toda hora, você tem o número?”, pergunta.

Leia tudo sobre: RomárioRonaldoBarcelonaHolandafutebol mundial

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG