Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Dirigente asiático pede troca da data da Copa no Catar

Peter Velappan advertiu que algumas seleções europeias podem boicotar Mundial de 2022 devido ao calor

Agência Estado |

Um dirigente da AFC (sigla em inglês para Confederação Asiática de Futebol) pediu para a Fifa mudar a Copa do Mundo de 2022 no Catar para os meses de janeiro ou fevereiro, quando é inverno no país, com a intenção de evitar o calor sufocante do deserto. Peter Velappan, secretário-geral da entidade, disse nesta quinta-feira que os sistemas de ar-condicionado nos estádios e centros de treinamento "não são uma solução", e advertiu que algumas seleções europeias podem boicotar a Copa do Mundo devido ao calor.

As temperaturas no verão do Catar podem chegar aos 40ºC. "O Catar é um país bonito, mas não há modo do futebol ser jogado em junho e julho lá. Nenhum jogador vai querer jogar nessas condições", disse. "Eu recomendo que a Fifa remarque o torneio para janeiro ou fevereiro. A Fifa é obrigada a fazer todo o possível para fornecer o melhor para as equipes e os torcedores de futebol".

Os comentários de Velappan ecoam a opinião de Franz Beckenbauer, que defendeu mudanças no calendário europeu para que a Copa seja jogada no inverno no Catar, já que esta seria uma solução mais barata do que a adoção de sistemas de ar-condicionado em todos os estádios.

Entretanto, Mohamed Bin Hammam, presidente da AFC, minimizou as altas temperaturas durante todo a candidatura do Catar para Copa do Mundo. E a Fifa está quebrando uma tradição ao realizar a Copa do Mundo no Leste Europeu e no Oriente Médio pela primeira vez, com a Rússia sediando o Mundial de 2018, seguida pelo Catar em 2022.

Velappan disse acreditar que a Rússia "vai entregar uma boa Copa do Mundo" porque tem recursos, mas espera que a situação do calor no Catar seja resolvida. "A decisão da Fifa não pode ser revogada. Portanto, o mundo tem que viver com ela e espero que Catar e Rússia possam fazer Copas do Mundo que todos nós possamos nos orgulhar", acrescentou.

Leia tudo sobre: copa do mundofifafutebol internacional

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG