Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Diretoria do Santos teme precipitação em demissão de Adilson

Diretor de futebol revela que a demissão do treinador não foi unânime entre os dirigentes do clube

Samir Carvalho, iG Santos |

“Nós não temos a certeza se tomamos a melhor decisão, só o tempo irá dizer isso”, afirmou o diretor de futebol do Santos, Pedro Luiz Nunes Conceição, ao justificar a demissão do técnico Adilson Batista. O dirigente santista, inclusive, revelou que a saída do treinador não foi uma decisão unânime da diretoria do clube.

“Não foi uma decisão unânime, mas prevaleceu o nosso processo decisório. Todas as decisões são tomadas em conjunto aqui no Santos. Só que essa não foi unânime, mas atendeu o desejo da maioria. Foi complicado”, disse.

Apesar do bom retrospecto de Adilson Batista no comando da equipe – cinco vitórias, cinco empates e uma derrota – os dirigentes do clube demitiram o treinador após o empate contra o São Bernardo por 1 a 1 no último sábado, na Vila Belmiro, em partida válida pela décima rodada do Campeonato Paulista.

“De certa forma o time não vinha se apresentando muito bem, ainda que os números fossem de um time campeão, mas o desempenho do time nos últimos seis jogos não vinha correspondendo”, declarou o diretor.

Embora tenha dúvidas sobre a decisão, os dirigentes santistas negaram que demitiram Adilson Batista por causa da pressão da torcida, que começou a pedir a saída do treinador após a derrota no clássico contra o Corinthians na semana passada.

“Se fossemos nos pautar pela pressão da torcida, talvez o Dorival (Júnior) teria ficado aqui. A nossa decisão não tem nada a ver com o protesto da torcida. No Santos o espaço é da diretoria e dos jogadores”, disse Pedro Luiz Nunes Conceição, que lembrou que os torcedores pediram a permanência de Dorival Júnior na demissão do treinador no ano passado.

Apesar de negar a influência da torcida na demissão de Adilson, o dirigente declarou que ideia da cúpula santista incluiu em poupar o treinador das críticas dos torcedores.

“Futebol é muito dinâmico e não perdoa ninguém. Fizemos isso até mesmo para preservar o Adilson, pois o torcedor é muito mal educado, a atitude do torcedor foi constrangedora”, concluiu.

 


 

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG