Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Desdém de rivais motiva o Inter no Mundial de Clubes

Capitão do Mazembe disse não conhecer jogadores do Inter. Roth respondeu com os muitos vídeos que acompanhou dos africanos. Semifinal do Mundial ocorre nesta terça-feira

Marcel Rizzo, enviado iG a Abu Dhabi |

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=esporte%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237882654319&_c_=MiGComponente_C

Campeão sul-americano, jogadores no elenco que atuaram no futebol europeu, como o argentino DAlessandro, o lateral-esquerdo Kléber ou o atacante Rafael Sóbis. E mesmo assim o capitão do Mazembe, campeão africano rival na semifinal do Mundial de Clubes de Abu Dhabi, nos Emirados Árabes Unidos, disse não conhecer atletas do Internacional. O jogo acontece nesta terça-feira, 14h de Brasília, no estádio Mohammed Bin Zayed.

Não tenho ideia de quais são os jogadores do Inter, apenas vimos em vídeo o comportamento deles em campo.  São muito técnicos. Mas não sei nomes, disse Kazembe Mihayo, 29 anos, que usa a tarja de capitão da equipe da República Democrática do Congo.

Inter disputa semifinal do Mundial de clubes

O desconhecimento de um time africano ¿ pelo menos no discurso oficial - causou descontentamento entre alguns dirigentes do Inter em Abu Dhabi. No sábado, o técnico da Inter de Milão, Rafa Benitez, já havia manifestado saber pouco de alguns atletas brasileiros e passado a palavra a seu capitão, o colombiano Ivan Córdoba, para falar sobre o Inter.

Não em interessa o que os outros sabem. Eu tenho que informar aos meus jogadores sobre o meu adversário. Como os outros trabalham, não me interessa. Me interessa apenas o trabalho do Inter, disse Roth.

O treinador do Mazembe foi menos incisivo quando provocado a falar pontos fortes e fracos do rival de terça-feira. Lamine Ndiaye, natural do Senegal, preferiu ressaltar a habilidade e técnica dos brasileiros e disse que estava preparando uma surpresinha, esta desdenhada por Roth, que acha que o treinador adversário não fará nada de diferente do que preparou na vitória de 1 a 0 sobre o Pachuca, do México.

O modo de trabalhar dos brasileiros, muitas vezes, é diferente. Nós estudamos os adversários. Acho que os europeus também. Na África sinceramente não sei, disse Roth.

Reuters
D'Alessandro, um dos jogadores do Inter que já atuou no exterior, comanda corrida em treino em Abu Dhabi

Bancado pelo milionário Moise Katumbi, governador de Katanga, província ao sul do Congo que é a sede do Mazembe, o clube poderia ter enviado um emissário a Porto Alegre, por exemplo, para ver jogos do Inter na reta final do Brasileiro ¿ apesar da utilização de time misto em algumas partidas.

A comissão técnica do Internacional assistiu a dezenas de vídeos de jogos do Mazembe, principalmente na Liga dos Campeões da África, competição que venceu e que garantiu vaga no Mundial (o Pachuca, outro possível rival na semi, também foi observado). Os jogadores fizeram questão também de irem ao Mohammed Bin Zayed ver in loco a vitória africana sobre os mexicanos.

O Pachuca era o favorito, pelo menos para imprensa, e mesmo assim eu avaliei muito bem o Mazembe. Em nenhum momento demos preferência para esse ou aquele, disse Roth.

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG