Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Desconhecido da torcida, Enderson conquista elenco do Fluminense

Treinador prega respeito ao Vasco, mas diz que se prepara sempre da mesma maneira antes de qualquer jogo

Marcello Pires, iG Rio de Janeiro |

Ele chegou na calada da tarde, sem ser apresentado à imprensa e sob muita desconfiança. Pelo menos do torcedor do Fluminense. Com a missão de substituir o tetracampeão nacional Muricy Ramalho e dirigir o atual campeão brasileiro num jogo de vida ou morte contra o América-MEX, que poderia ter sepultado o destino do clube na Libertadores, Enderson Moreira mostrou que tem estrela, esbanjou personalidade e ganhou o respeito do grupo. A menos de dez horas de enfrentar seu primeiro clássico regional pelo Fluminense, o treinador contratado para seu uma espécie de auxiliar permanente, prega respeito ao Vasco, mas explica que se prepara sempre da mesma maneira antes de qualquer jogo.

“Clássico é um jogo especial, mas minha preparação para um jogo se pauta independentemente do adversário. Eu analiso o time que vou enfrentar e observo todos os aspectos dos meus jogadores. O Vasco tem atletas de excelente qualidade, vive bom momento e tem peças que tentaremos anular”, explicou Anderson Moreira.

Apoiado desde sua chegada pelos principais jogadores do elenco, como Deco, Diguinho, Fred e Souza, Enderson conquistou respeito e confiança para exercer seu trabalho. Estudioso, o treinador com passagens por times grandes como Atlético-MG, Cruzeiro e Internacional sabe que futebol é dinâmico e só as vitórias lhe darão tranqüilidade para permanecer no cargo até a chegada de Abel Braga.

“Clubes grandes precisam vencer sempre. Por isso, uma sequência de bons resultados seria importante para o Fluminense ter ainda mais tranquilidade para crescer na temporada. Estamos vivos na Libertadores, mas o Carioca é importante, tem tradição. Trabalho com futebol há 15 anos, com tática, treinos e gestão de grupos, e os elogios do grupo mostra que estamos no caminho certo”, afirmou.

Mas os elogios não empolgam Enderson. Embora tenha dito mais de uma vez que se sente preparado para assumir um clube grande como o Fluminense, ele mantém os pés no chão e diz que sua hora vai chegar no momento certo. Sem atropelos.

“Futebol apresenta algumas surpresas. Eu planejava cumprir meu contrato com o Internacional até dezembro, mas as oportunidades não escolhem dia ou hora para pintar. Eu fui guerreiro ao longo da vida, sai de família e de uma região humildes. Foi uma guerra para estudar e buscar meu espaço no mundo difícil do futebol. Minha vida sempre foi de superação”, lembrou o treinador.

Se Muricy costuma dizer seu lema é trabalho, Enderson adotou o mesmo discurso na chegada ao Rio de Janeiro. No entanto, se seu antecessor já ganhou o suficiente para se dar ao luxo de abandonar o atual campeão brasileiro no meio da temporada, o atual sabe que ainda terra que ralar muito para quem sabe um dia ser ao menos efetivado como treinador.

“A minha arma é o trabalho. Tenho de ser competente, preciso de resultados. Quarta foi maravilhoso. O roteiro não poderia ter sido mais emocionante, mas se não vencer domingo serei cobrado. Os elogios vão virar críticas e a pressão vai aumentar. Mas me preparei para viver esse momento, para lidar com as críticas positivas e negativas”, reconheceu.

 

Leia tudo sobre: Campeonato carioca 2011EndersonFluminense

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG