Salvador da pátria contra o Coritiba, atacante afirma que ser comparado ao antigo xodó é bom para ele

Jael foi contratado pelo Flamengo taxado para ser folclórico. Durante tentativas frustradas de reforçar o time com Vagner Love, do CSKA Moscou, Kleber , do Palmeiras , e André , que saiu do Dínamo de Kiev, para o Atlético-MG , ele chegou ao clube e sequer recebeu uma apresentação oficial. Nada que tenha abalado o Cruel, apelido que recebeu quando defendia o Bahia .

Entre para a Torcida Virtual do Flamengo e convide seus amigos

O lado folclórico já aflorou e, em seu segundo jogo, marcou um gol decisivo, aos 44 minutos do segundo tempo, que garantiu a vitória por 1 a 0 sobre o Coritiba . A comparação com Obina foi bem recebida pelo atacante, que já começa a ocupar o espaço de xodó da torcida em pouquíssimo tempo de clube.

Siga o iG Flamengo no Twitter e receba as notícias do time em tempo real

“Pelo que o Obina fez aqui, se eu for comparado a ele, está bom pra mim”, disse Jael, sobre o atacante, que está na China, e foi campeão da Copa do Brasil de 2006 e tri carioca entre 2007 e 2009.

No Flamengo, Jael mantém a fama de goleador. Em menos de 30 minutos, conseguiu marcar seu primeiro gol pelo clube. Sem se preocupar com o passado de andarilho, já tendo defendido oito clubes na carreira profissional aos 22 anos de idade, espera continuar recebendo chances do técnico Vanderlei Luxemburgo .

“Se não fosse por ele, eu não estaria aqui. Tenho que treinar para encontrar meu espaço. Entrei em campo e fiz o meu melhor. Fico feliz por ter feito o gol e ajudado o time, mas valeu a busca de todos”, afirmou Jael, lembrando a origem do apelido. “Ganhei no Bahia, quando comecei a fazer gols e ajudei a tirar o time do rebaixamento para a Série C”.

Contra o Atlético-PR , quarta-feira, no Engenhão, pela Copa Sul-Americana, Jael ainda deve ficar no banco de reservas. O atacante não tem pressa na disputa por posição com Deivid , vice-artilheiro do time no Brasileiro, com seis gols, atrás apenas de Ronaldinho Gaúcho , que tem nove. Aliás, jogar ao lado do craque foi uma satisfação.

“Isso representa muita coisa. É um sonho depois de tê-lo visto atuando pelo Barcelona, ter sido o melhor jogador do mundo, campeão do mundo. Ainda mais marcando meu primeiro gol com um passe dele”, disse Jael.

null

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.