Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Deco faz aposta com cunhado Alecsandro no clássico carioca

Casado com a irmã do meia do Fluminense, atacante fará sua estreia pelo Vasco no jogo deste domingo

Marcello Pires, iG Rio de Janeiro |

Se Araújo e Felipe irão reviver uma rivalidade construída no Catar, Deco e o Alecsandro farão um clássico caseiro no próximo domingo, no Engenhão. Casado com a irmã do meia do Fluminense, o atacante contratado do Internacional fará sua estreia pelo Vasco. Relacionado para a partida pelo técnico Ricardo Gomes, ele ainda não sabe se começará jogando, porém, já foi alvo de uma gozação do cunhado, que lançou uma aposta no ar quinta-feira.

“Quem perder o clássico paga o jantar no domingo”, desafiou Deco.

Brincadeiras à parte, Deco disse que ficou muito feliz com a vinda de Alecsandro para o Rio de Janeiro. Rivais no domingo, o meia tricolor torce para que o amigo faça o mesmo sucesso que fez no Internacional com a camisa do Vasco.

Divulgação
Alecsandro estreia no Vasco neste domingo, no clássico contra o Fluminense
“Além de ser casado com minha irmã, ele é um grande amigo. Ele é um ótimo reforço para o Vasco e espero que ele deslanche no Rio de Janeiro. Mas só depois do clássico de domingo”, brincou Deco.

Apesar de não se considerar herói, Deco teve uma quinta-feira especial. Se nos últimos dois meses o meia se acostumou ao chegar no clube e ir direto para o departamento médico, um dia após fazer o gol mais importante do Fluminense na temporada até o momento treinou com os jogadores que não jogaram e se sentiu útil novamente.

“Eu não tenho que provar nada para ninguém e não me sinto herói. Não podemos ir pela euforia. Foi um gol importante, estou muito feliz, mas para mim nada vai mudar. Eu sei que se tiver uma sequencia de jogos vou poder fazer muito mais coisas e ajudar o Fluminense”, disse.

Perguntado por um jornalista se ele achava que o gol contra o América-MEX já pagava o alto investimento do Fluminense por ele, Deco se mostrou sereno, desviou um pouco o foco da pergunta e aproveitou para fazer um desabafo.

“Quando você se machuca no Brasil e fica um tempo fora existe uma desconfiança por parte das pessoas muito grande. Parece que você está fazendo um mal para alguém. Você se sente até mal. Não existe isso de chinelinho. Não existe jogador que tem prazer de ficar no departamento médico. Na Espanha é um pouco assim também. Acho que essa cobrança exagerada acontece mais nos países latinos”, desabafou o jogador.
 

Leia tudo sobre: Campeonato carioca 2001FluminenseVasco

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG