Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Deco culpa tropeços em casa pelo momento dramático do Fluminense

Para meia, os empates contra argentinos e uruguaios, no Engenhão, deixaram o time na lanterna do grupo 3

Marcello Pires, iG Rio de Janeiro |

EFE
Deco comemora contra o América-MEX, no Engenhão
Bicampeão da Liga dos Campeões com o Porto e o Barcelona, Deco sabe que o Fluminense não ocupa a lanterna do Grupo 3 da fase de grupos da Libertadores por causa das derrotas para o Nacional-URU e  o América-MEX, fora de casa. Para o meia luso-brasileiro, o clube está em situação desesperadora na competição e precisa de um verdadeiro milagre para avançar às oitavas-de-final por causa dos tropeços contra Argetinos Juniors e Nacional, em pleno Engenhão.

“É frustrante, mas o futebol é assim mesmo. Quando não se ganha os jogos em casa em um torneio difícil, como a Libertadores, as coisas complicam. Dos três jogos no Engenhão, ganhamos apenas um e empatamos dois. No final das contas, isso que acaba fazendo a diferença”, afirmou Deco.

Essa pode até não ser a única razão para o fracasso tricolor na competição sul-americana. Afinal, o clube viveu recentemente uma crise política que mexeu com os nervos de todos e culminou com o pedido de demissão de Muricy Ramalho. Mas o fato é que caso tivesse vencido as duas partidas no Engenhão, o Fluminense teria hoje nove pontos e estaria na liderança do seu grupo.

Mas a realidade é outra e, com apenas cinco pontos, o Fluminense vai precisar de um milagre para seguir adiante na Libertadores. Além de vencer o Argentinos Juniors na última rodada, dia 20 de abril, em Buenos Aires, o clube terá de torcer por um tropeço do nacional, em Montevidéu, diante do América-MEX. Situação frustrante para Deco.

“Para um time que tem ambição e é o atual campeão brasileiro, ficar dependendo dos outros é frustrante demais. Não fazer bem o dever de casa pode resultar em uma eliminação. Mas tudo pode acontecer no futebol”, lamentou o meia, que preferiu não culpar a arbitragem pelo lance que originou o primeiro gol do Nacional.

“É difícil falar de um lance isolado que decidiu o jogo. Óbvio que a partida mudou completamente depois disso. Infelizmente os gols que temos sofrido na Libertadores têm sido meio esquisitos. Em alguns, faltou sorte, tranquilidade, em outro, o cara tentou cruzar e a bola entrou, e quarta um gol em impedimento não marcado. Sabemos que tomar gols assim em momentos complicados complica demais”, finalizou Deco.
 

Leia tudo sobre: Copa Libertadores 2011FluminenseDeco

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG