Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

De férias, Parreira estuda oferta do Chile e dá dicas ao Corinthians

Seleção sul-americana está sem técnico desde a saída de Marcelo Bielsa e tem interesse no trabalho do ex-treinador da África do Sul

Gazeta Esportiva |

Depois de comandar a África do Sul na Copa do Mundo, o técnico Carlos Alberto Parreira retornou ao Brasil e decidiu tirar férias até dezembro. Neste período, recebeu algumas ofertas, entre elas uma da seleção chilena e outra para coordenar as categorias de base do Corinthians. Enquanto descansa, ele analisa as possibilidades.

"Depois de 40 anos no futebol, da minha oitava Copa, a sexta como treinador, merecia um período sabático de quatro meses e não abri mão disso. Queria reorganizar minha vida, fazer um check-up para ver se o coração está preparado para suportar as pressões e me dar um tempo", disse o técnico na noite da última segunda-feira, antes de proferir palestra na abertura do XVII Curso para Treinadores de Futebol, em São Paulo.

Carlos Alberto Parreira conversou com Andrés Sanchez, presidente do Corinthians, no Rio de Janeiro após a saída do técnico Adilson Batista. Ambos voltarão a negociar durante o Footecon, fórum que será organizado pelo treinador nos dias 7 e 8 de dezembro, na capital fluminense.

"No futebol, as coisas mudam em 24 horas. Naquele momento, havia interesse de ambas as partes. Eu disse: 'Presidente, o mais sensato é conversarmos em dezembro, após o final da temporada, na hora do planejamento para 2011'", explicou Parreira, que descarta a possibilidade de assumir como técnico.

Campeão da Copa do Brasil e do Rio-São Paulo de 2002 pelo clube, ele não disputou a Libertadores do ano seguinte, já que deixou o Parque São Jorge para retornar à seleção brasileira. Com o time classificado para o torneio continental, Parreira não teve pudores de opinar sobre como o clube deve se preparar para a competição

"Primeiro, tem que reforçar o elenco e priorizar a Libertadores, como o Internacional fez. Precisa formar um elenco grande e equilibrado para dar opções ao treinador de recompor, como o Ferguson tem no Manchester, por exemplo. Além disso, com um elenco grande você está precavido de lesões e suspensões", explicou.

O técnico também tem a opção de comandar a seleção chilena na preparação para a Copa do Mundo de 2014. Depois de levar o time às oitavas de final na África do Sul, o argentino Marcelo Bielsa preferiu sair em função da derrota de Harold Mayne-Nicholls nas eleições presidenciais da Associação Chilena de Futebol.

"Eles se propuseram a viajar ao Brasil para conversar comigo, a gente não marcou uma data ainda. Foi um contato muito rápido. Vamos ver. Não há pressa, porque estamos em final de temporada, não tem mais jogos com seleções e nada precisa ser resolvido agora. O importante é que o trabalho comece no início do ano, seja lá com que treinador for", disse.

Na África do Sul, Parreira viu o Chile cair nas oitavas de final diante do time canarinho, mas elogiou a campanha da equipe. "Eles têm uma tradição de Copa do Mundo, contam com bons jogadores e fizeram uma boa Copa, mas tiveram azar de pegar o Brasil e poderiam ter chegado um pouquinho mais longe", encerrou.

Leia tudo sobre: chilecorinthiansfutebolfutebol internacionaltreinadores

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG