Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Daniel Alves foi o dono da bola na estreia contra a Venezuela

Lateral se destacou em fundamentos importantes, como passes, posse de bola e desarmes. Neymar “só” driblou

Marcel Rizzo e Paulo Passos, enviados iG a Los Cardales |

Esqueça Robinho , Neymar , Ganso ou Pato . O dono da bola na seleção brasileira no empate sem gols contra a Venezuela , neste domingo em La Plata (0 a 0), foi o lateral-direito Daniel Alves . Ele foi a que mais ficou com ela, o que mais deu passes e também o jogador que mais desarmou. Os dados são do Footstats e talvez explique a dificuldade que os brasileiros tiveram para atacar na estreia da Copa América, principalmente no segundo tempo - Daniel Alves é lateral-direito e não é o responsável por iniciar os ataques da seleção.

Tenha as estatísticas no seu iPhone e faça comparações entre times e jogadores

O jogador do Barcelona ficou com a bola nos pés por 3 minutos e 52 segundos, ou 16% do tempo total que o Brasil a dominou. Foram mais de 30 segundos a mais do que o segundo neste quesito, Neymar (com 3min19seg). Com ela dominada, Dani foi o que mais deu passes certos, 88, ou 17% no total. O segundo foi o volante Lucas Leiva , com 74.

Chama a atenção, porém, a eficiência do camisa 2 nas roubadas de bola. Foram oito, quase 1/4 do que o Brasil desarmou, e mais do que os jogadores que efetivamente precisam fazer isso, que são Lucas Leiva (6) e Ramires (4). “O Brasil não fez uma grande partida, mas uma estreia sempre é mais complicada, você acaba se prendendo um pouco mais”, disse Alves depois da partida.

Neymar, o craque garoto da seleção, teve muito a bola no pé, mas não foi tão eficiente. Não acertou, por exemplo, nenhuma das duas finalizações que tentou – o criticado Robinho tentou quatro chutes e dois tiveram a direção do gol, ao menos. Nem tantas faltas Neymar sofreu, foram somente duas, menos até do que Daniel Alves e Lúcio , que foram derrubados três vezes.

Destaque para o camisa 11 só em sua especialidade realmente, os dribles. Foram 18, quase metade do que o Brasil fintou em La Plata. Mas, desta vez, Neymar não foi eficiente em sua principal jogada e o Brasil não saiu do zero no primeiro jogo oficial da era Mano Menezes.
 

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG