Tamanho do texto

Atacante do São Paulo negou que vai para o Santos, mas admitiu que seu destino deve ser mesmo o futebol europeu em 2012

Dagoberto, atacante do São Paulo
AE
Dagoberto, atacante do São Paulo
O atacante Dagoberto rebateu o presidente do Corinthians, Andrés Sanchez, e negou a informação do mandatário rival de que teria acertado com o Santos para a próxima temporada. Entretanto, o artilheiro são-paulino no ano admitiu que poderá sair do clube do Morumbi em abril de 2012, quando termina seu contrato.

Siga o iG São Paulo no Twitter

O jogador sempre faz questão de demonstrar toda sua admiração pelo São Paulo, mas se comparou a Miranda e Jorge Wagner, outros atletas que fizeram história no clube e, mesmo assim, assinaram um pré-contrato antes do término de seus respectivos vínculos - o que é permitido por lei, se for feito a partir de seis meses do fim - saíram de graça, com as portas abertas.

Entre para a Torcida Virtual do São Paulo e convide seus amigos

"Vou sentar com o Juvenal Juvêncio (presidente do São Paulo), um cara que sempre foi legal comigo, e vou bater um papo. O Miranda, o Jorge Wagner, jogadores de história linda aqui, fizeram isso. Também tenho a minha e vou procurar honrá-la", contou Dagoberto, reforçando o tom de adeus.

O destino do atacante deve ser mesmo o futebol europeu, desejo declarado de Dagoberto que, inclusive, deve embarcar para o Velho Continente nas próximas semanas e acertar os últimos detalhes para adquirir o seu passaporte italiano, que facilitaria sua transferência para o exterior.

O empresário do camisa 25, Marcos Malaquias, tem em mãos uma proposta feita pelo São Paulo há mais de um mês para renovar o seu contrato. O agente até aprovou a oferta, mas Dagoberto não demonstrou o mesmo entusiasmo. O clube ainda aguarda por uma contraproposta, mas a opção do jogador é por esperar uma oferta de um grande europeu antes de voltar a discutir um novo vínculo.

"Fiz cinco anos de contrato e sempre fui profissional, estou cumprindo. Quando o Juvenal me procurou, fez um contrato de cinco anos, falou como era o clube e a maneira como gostaria que os jogadores aqui se comportassem. Várias vezes conversamos e só tive elogios. Não tem por que me sentir mal. Meu contrato está acabando, isso é normal", finalizou.