Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Da América ao Gauchão: clássico Gre-Nal vira salvação do semestre

Esquema tático prejudica Inter enquanto a falta de reforços enfraqueceu Grêmio na Libertadores

Gabriel Cardoso e Hector Werlang, iG Porto Alegre |

Após a classificação de Internacional e Grêmio para as oitavas de final da Libertadores, o Rio Grande do Sul viveu intensamente a possibilidade de, pela primeira vez em 52 edições, ver um Gre-Nal no torneio sul-americano. Seria possível caso os dois clubes passassem por Peñarol e Universidad Católica, respectivamente, e se classificassem para as quartas de final.

Os dois clubes perderam. Fora do sonho do tri da América, as equipes de Porto Alegre irão se encontrar na final do Gauchão para salvar o semestre. Nesta reportagem, o iG mostra os erros que levaram Inter e Grêmio a iminente crise. Especialmente para quem perder título para o rival.

Internacional: O primeiro erro do Inter em 2011 aconteceu em 1º de janeiro. Sim, no primeiro dia do ano. Contra a opinião de todos, até mesmo de gente de dentro do clube, renovou o contrato de Celso Roth. A torcida, que já não era nada simpática a ele, vaiava até no anúncio do nome no alto-falante do estádio. Os resultados do início do ano nem foram tão ruins, mas o ambiente derrubou Roth. Algo que poderia ter sido evitado se o contrato não fosse renovado após o Mundial de Clubes.

AFP
Falcão não admitiu erro contra o Peñarol, e falou em "cinco minutos de apagão"
Falcão chegou e nem teve tempo para pensar. Assumiu e teve que encarar o famoso “quarta e domingo” popularizado por Muricy Ramalho. Jogo atrás de jogo, sem muito período para descansar. Ele havia começado bem. A primeira mudança foi alterar o esquema tático, fixando dois atacantes. Os resultados também mudaram: o time venceu as três primeiras partidas e ainda conseguiu um bom empate com gols no Uruguai.

De repente, o treinador decidiu voltar ao esquema tático 4-2-3-1, (o mesmo usado por Celso Roth na derrota para o Mazembe no Mundial de Clubes). O Inter empatou, por pouco não perdeu o Gre-Nal, e deu adeus na Copa Libertadores ao perder, em casa, para o Peñarol.

O 4-2-3-1 é uma tática moderna, usada pela seleção espanhola, pelo Real Madrid, e por outros vários clubes do futebol europeu. Mas precisa de características pontuais dos jogadores para que funcione. Caso contrário, o atacante vive uma solidão de dar dó. Alecsandro sofreu com isso em 2010. Em alguns jogos o time rodava, rodava, rodava e o camisa 9 não via a cor da bola. Ficava quase tão sozinho quanto Tom Hanks no filme “Náufrago”.

Leandro Damião estava se virando no início do ano. Tem todos os méritos de já ter feito 19 gols, de chegar na seleção brasileira. Mas também é preciso ressaltar que o nível técnico dos times do Gauchão, onde ele fez 15 gols, é bem inferior. Enquanto o Inter jogava no 4-2-3-1 de Roth, pela Libertadores, eram dois gols em cinco jogos. Contra o Peñarol, no Beira-Rio, ele não conseguiu fazer nenhum chute a gol.

AFP
Solidão do atacante. Damião foi pouco acionado no jogo contra o Peñarol

Claro que nem tudo está ruim, como o treinador fez questão de citar após a derrota de quarta-feira. O Inter segue tendo um dos melhores grupos do Brasil. É favorito para o Gre-Nal. D´Alessandro seguirá driblando os adversários e deixando os companheiros na cara do gol. Bolatti continuará tomando conta do meio-campo e o próprio Damião marcará gols. Mas o Inter vai buscar reforços. O plano de rejuvenescer o grupo será colocado em prática. A defesa é a maior preocupação.

Restou o Gauchão para salvar o semestre. O campeonato que era disputado pelo time B no mês de janeiro passa a ser o único título possível na primeira metade do ano.

Grêmio: Os erros do Grêmio começaram com a fracassada negociação com Ronaldinho Gaúcho. Tornada pública em 17 de dezembro de 2010, a tentativa de repatriar o então jogador do Milan, que havia começado em 20 de setembro, monopolizou as atenções do clube gaúcho. Até o dia 8 de janeiro de 2011, quando o presidente Paulo Odone anunciou a desistência do negócio, nenhum outro assunto era tratado. Neste meio tempo, o grupo não foi reforçado e ainda perdeu dois titulares importantes.

Jonas, que não teve atendido o pedido de antecipação das tratativas para ampliar o contrato, decidiu aceitar proposta do Valencia. O clube espanhol aproveitou a pequena multa rescisória: 1,2 milhão de euros (R$ 2,8 milhões em 24 de janeiro). Fábio Santos preferiu ir para o Corinthians. Então, apenas com o atacante Lins, destaque do Criciúma na Série C, o Grêmio começou a disputa da pré-Libertadores.

EFE
Renato Gaúcho fez escolhas erradas
O problema foi aumentado com a venda de Paulão ao chinês Guangzhou por US$ 2 milhões (R$ 3,3 milhões). E piorado com contratações sem resultado. Dos cinco atletas trazidos, quatro por empréstimo, apenas o zagueiro Rodolfo conseguiu ser titular. Escudero, Carlos Alberto (dispensado em 28 de abril), Vinícius Pacheco e Lins fracassaram no Olímpico.

Aliado aos erros da direção, admitidos pelo presidente Paulo Odone, o Grêmio sofreu com lesões. Na fase decisiva do Gauchão e da Libertadores, cinco jogadores têm problemas musculares – Fábio Rochemback (coxa esquerda), Gabriel (coxa direita), Willian Magrão (coxa direita), Lúcio (virilha esquerda e panturrilha direita) e Bruno Collaço (coxa direita) – embora o clube tenha mudado a preparação física no começo do ano: saiu Anderson Paixão e entrou Flávio de Oliveira. Outros dois jogadores estão sob cuidados médicos: Victor (ombro direito) e André Lima (joelho direito).

Renato Gaúcho também teve escolhas passíveis de contestação. Testou Carlos Alberto em duas funções do meio campo e, mesmo sem resultado, deu nova oportunidade no ataque. Na reta final, o treinador, ao alegar ser uma estratégia, deixou de lado o perfil ofensivo e apostou em formações defensivas contra Internacional (Estadual) e Universidad Católica (torneio sul-americano): escalou três zagueiros ou três volantes deixando o atacante Leandro no banco.

Claro que nem tudo está errado como definiu o vice de futebol, Antônio Vicente Martins, o time teve qualidade para chegar aonde está:

"O momento é difícil, mas temos uma decisão. Não é hora de fazer terra arrasada".

Leandro foi uma boa revelação das categorias de base. Há jogadores com qualidade: Victor, Fábio Rochemback e Douglas. E a esperança de decidir o Gre-Nal no Olímpico. Quem sabe um título não muda o panorama do Grêmio...

AFP
Leandro (D) é esperança gremista

Leia tudo sobre: InternacionalGrêmioCampeonato Gaúcho 2011

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG