Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Cruzeiro adota "fair play" e ainda não teve expulsões em 2011

Na primeira divisão, somente o time mineiro e o Ceará ainda não tiveram jogadores expulsos na temporada

Frederico Machado, iG Belo Horizonte |

No ano passado, o Cruzeiro teve seguidos problemas com expulsões tanto no Campeonato Mineiro quanto na Copa Libertadores. Mas a chegada do técnico Cuca, no meio de 2010, parece ter mudado a mentalidade na Toca da Raposa II. O time mineiro ainda não levou nenhum cartão vermelho nesta temporada, nem mesmo em partidas truncadas e cheias de catimba pelo torneio continental. Dos times que disputarão a primeira divisão do próximo Brasileiro, somente Cruzeiro e Ceará ainda não tiveram jogadores expulsos em 2011.

O Cruzeiro está a uma partida do encerramento das primeiras fases da Libertadores e do Campeonato Mineiro. Em 2010, nessa mesma etapa do ano, o time mineiro já contabilizava seis expulsões (Kléber, Wellington Paulista, Thiago Heleno, Gil e Gilberto, duas vezes) sob o comando de Adilson Batista. Dois cartões vermelhos em jogos válidos pelo Estadual e quatro pelo torneio sul-americano. Em 2011, em quinze jogos oficiais, nenhum jogador deixou o campo de jogo mais cedo.

Gazeta Press
Cena do passado: Kleber expulso na eliminação para o São Paulo, em 2010
O técnico Cuca, conhecido por montar times com futebol vistoso e ofensivo, revela que criou um lema no Cruzeiro: “Força e Lealdade”. “Temos cometido uma média de 10 a 15 faltas por jogo . Tentamos sempre tomar a bola, como a gente pede nos treinos. Força e lealdade é o nosso lema. Não podemos nos dar ao luxo de ter um jogador a menos em partidas difíceis que estamos tendo. Agora, quando começar o mata-mata, a atenção tem que ser maior ainda”, ressalta o treinador.

O experiente meia Roger tenta explicar a situação. “Acho que é estilo de jogo. O Cruzeiro hoje joga um futebol mais vistoso, joga mais para frente. Consequentemente tem mais a bola, ataca mais. É um time que por poucas vezes perde para o adversário em porcentagem de posse de bola. Isso facilita para que nós não tenhamos que cometer tantas faltas”, analisa o jogador.

O goleiro Fábio acredita que a equipe está psicologicamente mais equilibrada. “É o equilíbrio que a gente já pode observar no decorrer desta temporada. Mas acho que é muito também pelo posicionamento de cada jogador, que facilita para que você esteja bem colocado, fazendo sempre a melhor marcação possível, sem ser desleal. Isso faz com que a gente evite os cartões vermelhos e fique uma equipe mais equilibrada”, afirmou o capitão cruzeirense.

Paciência
Aturar a catimba dos adversários sul-americanos na disputa da Libertadores é tarefa que pode tirar do sério até mesmo os mais calmos. “Com um jogador a menos tudo se torna mais difícil, então procuramos ficar atentos para não levar cartão vermelho e prejudicar a equipe. O Cuca pede para ficarmos concentrados para não sermos expulsos. Temos que contar até três, diante da catimba, das provocações”, disse o zagueiro Gil.

Futura Press
Assim como o Cruzeiro, o Ceará ainda não teve jogadores expulsos nesta temporada
O atacante Wallyson, que costuma sofrer muitas faltas dos zagueiros adversários, revela que a preocupação está somente em jogar bola. “O professor Cuca sempre nos fala para termos cuidado na Libertadores, temos que estar concentrados ao máximo para não ser surpreendido no jogo. Temos o pensamento somente de jogar bola e é isso que está acontecendo, por isso não levamos cartões vermelhos”, considerou Wallyson.

Fair Play nordestino
Outro time que ainda não levou cartões vermelhos nesta temporada é o Ceará, comandado pelo técnico Vágner Mancini. O time nordestino disputa o Campeonato Cearense e a Copa do Brasil simultaneamente e ainda não teve jogador expulso em nenhuma das competições

“Gosto de ver meu time jogando de forma ofensiva, buscando o gol incessantemente. Não somente com os atacantes, mas com todo o conjunto. Em relação aos cartões, acredito que ocorre um equilíbrio. Meu time joga ofensivo, mas sempre com equilíbrio na marcação. Tentamos roubar a bola sem fazer a falta e buscando o gol a todo momento”, resumiu Vágner Mancini.
 

 

 

 

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG