Em jogo no estádio Heriberto Hulse, em Santa Catarina, o time mineiro conseguiu segurar o time da casa

Criciúma e Boa fizeram uma partida em que os marcadores levaram a melhor sobre os atacantes. Dessa forma, as duas equipes ficaram no empate por 0 a 0 nesta sexta-feira, no estádio Heriberto Hulse, em Criciúma. Com o resultado, os mineiros chegam a oito pontos na classificação, contra nove dos catarinenses.

Mesmo com o lateral-esquerdo Marinho Donizete à disposição, o técnico Guto Ferreira, optou por escalar o volante Pirão improvisado na ala esquerda. Outra atração apresentada pelo clube catarinense foi o atacante Roni, convocado para disputar o Mundial Sub-20, pela Seleção Brasileira. Já o Boa apresentou como novidade a presença do atacante Vinícius Hess entre os titulares, e a estreia de Reinaldo Alagoano.

Na próxima rodada do Campeonato Brasileiro, o Criciúma vai enfrentar o Sport, na Ilha do Retiro. Já o Boa Esporte vai receber o Grêmio-SP no estádio Dilzon Melo, no Sul de Minas.

O jogo
Embalado pela vitória na rodada passada e atuando em casa, o Criciúma iniciou a partida pressionando o Boa, em busca do gol logo no começo da partida. Aos três minutos, o atacante Roni aproveitou rebote da zaga mineira e bateu cruzado, acertando a rede pelo lado de fora. Apesar do maior volume de jogo dos catarinenses, o time do Sul de Minas não ficou só na retranca, proporcionando um jogo bem movimentado.

Aos dez minutos, Breitner cobrou falta pela esquerda, e o zagueiro Toninho desviou de cabeça, mas bola passou sobre a meta do Boa. Com uma forte marcação no meio-campo, o time do técnico Nedo Xavier diminuiu o ritmo do jogo e passou a atuar nos erros da equipe adversária. Mas o Criciúma sempre que chegou a meta do Boa levou perigo, foi assim aos 20, com um arremate da entrada de área de Pedro Carmona, que obrigou Luiz Henrique a trabalhar bem.

Com maior posse de bola, o Criciúma obrigou o Boa a recuar as linhas de marcação, dessa forma, o jogo passou vários minutos concentrado nas redondezas da área do time de Varginha. As jogadas de bola parada e os chutes de media e longa distância foram a única alternativa dos mineiros que surtiu algum efeito no primeiro tempo. Aos 31, Carlos Magno da entrada da área teve melhor chance dos visitantes, mas bola saiu a direita da meta de Andrey.

Aos 39, Pirão cobrou falta com perfeição, no ângulo esquerdo do goleiro Luiz Henrique, que teve que se esticar todo para fazer uma excelente intervenção salvando a pátria do Boa. Aos 45, o zagueiro Carciano teve a última chance da primeira etapa, mas não conseguiu superar a meta catarinense.

O Criciúma voltou para a etapa complementar com uma postura diferente, bem mais ofensiva, e aos cinco minutos, Roni finalizou com a canhota e a bola passou muito perto da trave do Boa Esporte. Aos oito minutos, o time mineiro conseguiu sair do sufoco, e Carlos Magno quase marcou, mas a zaga aliviou o perigo.

Aos 17, Pedro Carmona recebeu livre dentro da área, mas na hora da finalização, o armador foi travado pela defesa do Boa, que mandou para escanteio. Na cobrança outra ótima chance de marcar para o Criciúma, porém o ataque desperdiçou novamente. Aos 26, Pedro Carmona fez jogada individual pela direita, e arriscou sem ângulo, mas Luiz Henrique conseguiu salvar.

Abusando da possibilidade de perder gols, o Criciúma lutou até o apito final do árbitro paranaense Antônio Denival de Morais, mas sem conseguir acertar o alvo, os catarinenses tiveram que se contentar com o empate, que agradou os mineiros e frustrou os torcedores que compareceram no Heriberto Hulse.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.