Grupo de quase 20 torcedores esperava delegação do clube, que entrou no ônibus ainda na pista do Aeroporto de Viracopos

Com dificuldades para se desvencilhar da marcação imposta pelo Tolima na noite de quarta-feira, o Corinthians conseguiu driblar um grupo de quase 20 torcedores na manhã desta quinta-feira. Os manifestantes esperavam a delegação chefiada por Andrés Sanchez no Aeroporto de Viracopos, em Campinas, com ovos em mãos e ofensas ensaiadas.

Para evitar tumulto, o elenco entrou em um ônibus logo depois de desembarcar na pista do aeroporto, sem passar pelo saguão. A iniciativa de voltar da Colômbia por Campinas (e não por Guarulhos, como de costume) foi tomada antes mesmo da humilhante eliminação na pré-Libertadores. Segundo o clube, o Aeroporto de Cumbica não recebe voos fretados durante a manhã.

Cientes de que o Corinthians retornaria ao Brasil pelo interior de São Paulo, torcedores organizados começaram a chegar ao Aeroporto de Viracopos por volta de 8h. Levaram consigo uma faixa com a inscrição "incompetência" e cerca de uma dúzia de ovos para arremessar nos jogadores. Alternaram-se entre três portões do local, na expectativa de obter contato com o elenco, e obrigaram que o policiamento fosse reforçado.

Os principais alvos do protesto haviam sido previamente escolhidos. Sempre que uma câmera de televisão era apontada para os manifestantes, eles cantavam o hino do Corinthians, reclamavam do "time sem vergonha" e bradavam contra Andrés ou Ronaldo, além de fazer ameaças como: "Se eu pego na balada, o bicho vai pegar!".

Como a delegação do Corinthians pousou em Viracopos por volta de 10h15 e não apareceu para o público, que então se dispersou, os torcedores organizados logo viraram a principal atração do lugar. Concederam uma série de entrevistas, com o cuidado de não falar palavrões e sorrir para as câmeras, e até foram assediados por alguns curiosos.

Embora tenham escapado da recepção ofensiva em Campinas (alguns torcedores diziam querer "relar a mão em Ronaldo e Roberto Carlos"), o Corinthians ainda precisará tomar cuidado quando chegar a São Paulo. Automóveis de atletas foram danificados pela torcida no CT Joaquim Grava.

Saída conturbada do estádio
A saída do Corinthians do estádio do Tolima, na quarta-feira, também teve protestos. Os cerca de 200 torcedores que estavam no Manuel Murillo Toro xingaram e jogaram pedras contra a delegação durante o caminho dos atletas até o ônibus. Protegidos pelos policiais colombianos, ninguém se machucou.

De lá, a delegação seguiu para o aeroporto de Ibagué e lá não teve muitos problemas para embarcar. O voo para Bogotá deixou a capital do departamento de Tolima com alguns minutos de atraso e para o alívio de diretores e dos jogadores, os corintianos que protestaram no estádio não se animaram a para o aeroporto, distante 20 km do centro da cidade. Escoltado por motos de policiais e duas viaturas, o ônibus entrou direto na pista do aeroporto por volta das 22h30 locais (1h30 no Brasil).

Logo após a partida, Andrés Sanchez temia que os membros das organizadas do clube que foram a Ibagué pudessem comparecer para protestar no aeroporto, mas nada aconteceu. "Só quero que seja sem violência", disse.

*Com Gazeta Esportiva

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.