Treinador da seleção feminina de futebol do país seguiu linha de declarações bizarras do técnico da equipe masculina em 2010

Depois de ver seu time derrotado por 2 a 0 pelos Estados Unidos na estreia da Copa do Mundo Feminina de Futebol, na Alemanha, o treinador da Coreia do Norte, Kim Kwang Min, explicou o desempenho ruim com justificativas bizarras. Uma delas, um raio que teria atingido muitas de suas jogadoras durante um treinamento.

“No dia 8 de junho, nossas jogadoras foram atingidas por um raio. Mais de cinco foram hospitalizadas, e a goleira e quatro atacantes foram as mais afetadas, além de algumas meio-campistas”, afirmou o comandante coreano.

Kim Kwang ainda reiterou as conseqüências do episódio com o raio, dizendo ter sido esse o motivo pelo qual sua equipe, longe de sua melhor forma, não atuar da maneira esperada. “Nossa estratégia não pôde ser implantada hoje”, disse.

Goleira da Coreia do Norte nada pôde fazer para evitar segundo gol dos Estados Unidos nesta terça; segundo técnico, ela foi uma das jogadoras atingidas por um raio
AP
Goleira da Coreia do Norte nada pôde fazer para evitar segundo gol dos Estados Unidos nesta terça; segundo técnico, ela foi uma das jogadoras atingidas por um raio

A entrevista coletiva bizarra, porém, não é novidade nem exclusividade de Kim Kwang Min. Em 2010, antes de estrear diante do Brasil na Copa da África do Sul, o técnico da seleção masculina, Kim Jong Hun, também deu declarações memoráveis.

Desafiando a Fifa, que proíbe o uso político do futebol, o treinador prometeu dedicar uma eventual vitória sobre a seleção pentacampeã do mundo ao ditador norte-coreano, Kim Jong-il . “Nossos jogadores são muito qualificados, muito talentosos, não ficam atrás dos jogadores de nenhum lugar do mundo. Esse talento vai ser demonstrado e a vitória vai alegrar muito ao nosso líder Kim Jong-il”, disse na ocasião.

Outro episódio polêmico em 2010 foi a convocação de Kim Myong-won. O jogador, que é atacante, foi convocado como goleiro para a Copa , algo apontado como um “golpe” do treinador. Ele, porém, justificou: “Ele iniciou sua carreira como goleiro. Como é muito veloz, nós o utilizamos como centroavante, mas nesta Copa do Mundo ele quer exercer a função de goleiro”, afirmou.

Na Copa do Mundo Feminina, os próximos confrontos das norte-coreanas serão contra a Suécia e contra a Colômbia. Resta aguardar por novas justificativas mirabolantes ou, diante de eventuais triunfos, uma nova linha de declarações, provavelmente celebrando o trabalho feito na base do futebol do país asiático.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.