Tamanho do texto

Com o comitê local enfraquecido, Fifa e Governo Federal trocando farpas, evento não tem quem fale sobre organização

Ricardo Teixeira era presidente do COL desde sua fundação
Getty Images
Ricardo Teixeira era presidente do COL desde sua fundação

O Governo Federal não fala com a Fifa , que já não sabe a quem se relatar no COL (Comitê Organizador Local), que não é recebido pelo Governo Federal. A dois anos do seu início, a Copa do Mundo no Brasil vive uma crise institucional entre os três principais pilares da sua organização. O último capítulo da “Torre de Babel” que virou o Mundial de 2014 foi a saída de Ricardo Teixeira , na última segunda-feira.

Leia também: Em carta, Ricardo Teixeira anuncia saída da CBF

Motivo de grande parte da falta de sintonia entre as partes interessadas na Copa , o cartola estava à frente do COL desde quando ele foi criado, em 2007. O comitê tinha como função, justamente, fazer o elo entre o país organizador e a Fifa, dona do Mundial.

Deixe o seu recado e comente a notícia com outros torcedores

Apesar da sua presença ser vista como problema, a saída não chega a representar uma solução. Antes de abandonar o posto de número 1 do COL, Ricardo Teixeira deixou uma estrutura montada com, inclusive, sua filha entre os diretores. Mais, no seu lugar assumiu José Maria Marin, político sem trânsito no Governo Federal e na Fifa.

Conheça Marín: Ex-governador, Marin volta aos holofotes após duas décadas

Desde o início do governo da presidente Dilma Rousseff, Ricardo Teixeira e o COL perderam influência no Planalto. O cartola não era recebido pela presidenta, diferentemente do que acontecia na época do ex-presidente Lula.

“Realmente, as coisas não estavam entrosadas entre Governo e o COL”, admite o deputado federal do PT de São Paulo, Vicente Candido, relator da Lei Geral da Copa. “A saída do Ricardo pode servir para oxigenar essa relação”, completa o parlamentar, que tem bom trânsito com o cartola.

Confira ainda: Romário comemora e diz que "Teixeira era câncer do futebol"

Marín, novo presidente da CBF, não tem trânsito no governo, nem na Fifa
AE
Marín, novo presidente da CBF, não tem trânsito no governo, nem na Fifa
Candido já admite que a Lei Geral da Copa não será votada até o fim de março, último prazo dado pela Fifa e pelo próprio governo. O texto já foi aprovado pela Comissão da Câmara dos Deputados, mas ainda precisa passar pela Câmara e pelo Senado. O conjunto de garantias para os organizadores do Mundial só deverá entrar e vigor em abril.

O demora na aprovação da lei atrasa pontos-chave da organização do evento, como os lançamentos do plano de marketing, da tabela de preços dos ingressos e até do mascote do Mundial.

Chute no traseiro
Bancadas em sua maioria com verbas do Governo Federal, as obras de infraestrutra e dos estádios da Copa também preocupam. Os atrasos levaram o secretário-geral da Fifa, Jêrôme Valcke, a perder a linha e sugerir um “chute no traseiro” do Brasil para acelerar as coisas . O termo virou pivô de uma crise diplomática e acabou adianto sua visita ao país, que estava marcada para esta semana.

Veja também: Valcke pede que Brasil 'ponha casa em ordem' por Copa

Sem trânsito na Fifa e no Governo Federal, Teixeira se calou durante a crise entre as duas partes, dias antes da sua saída. O cartola divulgou apenas uma carta, onde defendeu o governo brasileiro, mas tampouco criticou Valcke.

Na última segunda-feira, o ministro do Esporte, Aldo Rebelo, disse que a saída do cartola não terá influência no andamento das obras do Mundial.

“Não há nenhum relação do COL com as obras. A não ser o interesse comum de que elas sejam realizadas. Parte é privada, parte é PPP e as obras de mobilidade urbana são de responsabilidade do município e dos estados”, disse o ministro.