Tamanho do texto

Há nove meses, o hoje finalista da Copa do Mundo Zlatko Dalic interrompeu suas 'férias' para assumir a seleção com a missão de vencer apenas um jogo

Técnico da Croácia, Zlatko Dalic, comemorando com Modric a vitória histórica contra a Inglaterra
Divulgação/Fifa.com
Técnico da Croácia, Zlatko Dalic, comemorando com Modric a vitória histórica contra a Inglaterra

Há cerca de um ano e meio, o hoje técnico finalista da Copa do Mundo com a Croácia , Zlatko Dalic, ganhou um ticket de viagem oferecido pelos torcedores do Al-Ain, clube dos Emirados Árabes que ele treinou durante três anos. O destino: "Qualquer lugar". A companhia: "Fora Zlatko".

A relação de Dalic com os torcedores do clube começou a degringolar quando o Al-Ain perdeu a chance de disputar o Mundial de Clubes ao ser derrotado na final da Liga dos Campeões Asiática por um time sul-coreano. Zlatko deixou o mundo árabe em janeiro do ano passado e, àquele ponto de sua carreira, nada o levava a crer que se tornaria técnico da Croácia dali a poucos meses.

A seleção da Croácia fazia boa campanha nas Eliminatórias Europeias e liderava sua chave com folga, de modo invicto, até junho do ano passado. Enquanto isso, Zlatko registrava em suas redes sociais o seu tour por estádios da Europa para assistir a jogos do Barcelona, do Real Madrid, do Manchester City, do Liverpool e até do Hoffenheim, da Alemanha.

O adeus de Zlatko Dalic após três anos nos Emirados Árabes:

Picture with Ainawi before my departure from Al Ain. My heart is full. Thanks 💜

Uma publicação compartilhada por Zlatko Dalic (@daliczlatko) em


Dalic assume Croácia com um desafio: vencer a Ucrânia

Torcedores do Al-Ain confeccionaram passagem aérea para mandar Zlatko Dalic para
Reprodução/Twitter
Torcedores do Al-Ain confeccionaram passagem aérea para mandar Zlatko Dalic para "qualquer lugar"

Os caminhos do treinador e da seleção de seu país começaram a se alinhar em junho de 2017. A partir daquele mês, a Croácia atravessou uma sequência ruim com apenas uma vitória em quatro jogos nas Eliminatórias, sendo ultrapassada pela Islândia na tabela de classificação e passando a correr riscos de ficar fora da Copa.

A última dessas partidas, o empate em 1 a 1 com a Finlândia, fez com que a Federação Croata de Futebol perdesse a paciência com o então treinador Ante Cacic e apostasse em Zlatko para buscar a classificação no único jogo restante para os croatas, contra a Ucrânia.

Dalic fez uma mudança importante ao assumir a equipe: começou a utilizar o meia Luka Modric como um camisa 10, e não como um camisa 8. Dessa forma, o jogador do Real Madrid e craque do time não precisava buscar a bola muito perto da defesa e podia ser mais produtivo nos lances de ataque. Resultado: a Croácia bateu a Ucrânia, por 2 a 0, com uma assistência e participação decisiva de Modric.

"Eu tenho que dar todo o crédito aos jogadores. Não houve muito tempo para treinamentos, então tive que focar nos nossos encontros, na comunicação e na motivação. Nós mudamos alguns detalhes táticos, mas o mais importante foi os jogadores estarem focados que aquele jogo era nossa última chance de chegar à Copa do Mundo", disse Dalic em entrevista concedida no início deste ano ao site da Fifa.

Aquele resultado levou os croatas à repescagem, onde o sorteio colocou a Grécia no caminho da seleção croata. Dalic, Modric e companhia asseguraram a classificação para a Copa com uma vitória por 4 a 1 e um empate em 0 a 0, fazendo com que a federação croata decidisse, enfim, efetivar o treinador que até então era apenas um tapa-buracos. O contrato foi assinado apenas oito meses atrás.

Leia também: Organização ligada ao papa Francisco indica Neymar a prêmio por "bons valores"

Os croatas já falaram e repetiram: eles não têm medo

Técnico da Croácia, Zlatko Dalic, comemorando com Modric a vitória decisiva contra a Ucrânia, nas Eliminatórias
Arquivo pessoal/Zlatko Dalic
Técnico da Croácia, Zlatko Dalic, comemorando com Modric a vitória decisiva contra a Ucrânia, nas Eliminatórias

A Croácia chegou ao Mundial da Rússia sem arrebanhar grande confiança entre seus torcedores – especialmente após encontrar dificuldades nos amistosos contra Brasil e Senegal, disputados no mês passado. Mas, nos vestiários, a equipe adotou um discurso uniforme: o do orgulho, da autoconfiança e da falta de medo

"Já mostramos que somos bons em defender. Harry Kane merece honras, mas já fomos capazes de parar Messi e Eriksen. Espero que também iremos pará-lo. A Inglaterra vem jogando um futebol excelente, mas sabemos da nossa força e que não devemos ter medo de ninguém", disse Zlatko Dalic antes da semifinal histórica contra os ingleses.

"Nós respeitamos a todos, mas não tememos ninguém. Acreditamos em nós mesmos e estamos focados em jogar ainda melhor", acrescentou o atacante Madzukic, autor do gol na prorrogação que levou a Croácia à sua primeira final da Copa.

No domingo (15), Dalic e seus comandados encontram a França, seleção que foi a algoz da Croácia na semifinal de 1998, a melhor participação da seleção na história das Copas (terceiro lugar). E, a julgar pelo que os croatas fizeram até aqui, os franceses podem esperar de tudo, menos um jogo fácil.

"Ninguém quer ficar fora, ninguém quer ser substituído nesse time. Isso mostra o nosso caráter e me faz extremamente orgulhoso. Aqui, ninguém desiste", disse o técnico da Croácia após a vitória contra a Inglaterra. "Após 20 anos, estamos de volta a onde pertencemos. Tenho certeza que merecemos isso. Eu nem consigo imaginar o que pode acontecer caso nos tornemos campeões do mundo. Provavelmente, ninguém trabalhará na Croácia por alguns dias", disse Zlatko Dalic ainda antes da classificação na semifinal contra os ingleses.

Leia também: Gols, comemorações e mais: Torcedores recriam momentos marcantes da Copa; veja

Divulgação/Fifa.com
"Se vencermos? Acho que ninguém trabalha na Croácia por alguns dias", brincou Zlatko Dalic


    Leia tudo sobre: futebol
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.