Tamanho do texto

Nike tinha acordo para entregar material aos atletas, mas empresa teme descumprir sanções impostas pelo governo americano por programa nuclear

Ebrahimi vestirá a camisa 9 da seleção do Irã na Copa do Mundo da Rússia
Divulgação/Fifa
Ebrahimi vestirá a camisa 9 da seleção do Irã na Copa do Mundo da Rússia

Os jogadores da seleção do Irã estão apreensivos para a Copa do Mundo, que começa na sexta-feira (15) para o país em confronto contra a equipe do Marrocos. Mas a apreensão, neste caso, não se deve apenas à expectativa para o início do torneio, mas também por um fator extracampo: os atletas não receberam as chuteiras que haviam sido prometidas pela Nike.

Leia também: Dos 736 jogadores da Copa do Mundo, 536 serão estreantes; veja as curiosidades

A informação foi confirmada pela própria federação iraniana de futebol no início desta semana. O impasse é resultado das novas sanções econômicas que o governo de Donald Trump nos Estados Unidos impôs no mês passado ao Irã  devido ao programa nuclear mantido por Teerã.

"As sanções significam que, uma vez que somos uma companhia americana, não podemos entregar as chuteiras aos jogadores do time iraniano neste momento", comunicou a Nike em nota.

O Departamento de Tesouro dos Estados Unidos é o responsável por colocar em prática as sanções econômicas ao país do Oriente Médio e pode multar em US$ 1 milhão e até mesmo impor sanções penais àqueles que descumprirem a determinação do governo.

Leia também: Sergio Ramos se pronuncia após demissão do treinador da seleção da Espanha

Técnico reclama da situação

A situação irritou o técnico da seleção iraniana, o português Carlos Queiroz, que cobrou até mesmo uma posição da Fifa e de outras entidades internacionais sobre o assunto.

"Os jogadores estão habituados a usar os equipamentos esportivos da Nike e não é justo obrigá-los a mudar apenas uma semana antes de jogos tão importantes", afirmou o treinador antes do treino da seleção em Moscou, nesta quarta-feira (13). A informação é da rede de notícias NBC .

"Eu não tenho ciência sobre o embasamento legal que a empresa [Nike] está usando nesse caso. Eles deveriam ao menos especificar sobre qual parte das sanções eles estão se referindo, uma vez que, tecnicamente, eles não estão vendendo nada", corroborou o chefe do consulado iraniano nos Estados Unidos, Trita Parsi.

O Irã está no  grupo B da Copa do Mundo e terá pela frente as seleções da Espanha e de Portugal, além do já citado Marrocos.


    Leia tudo sobre: Donald Trump