Tamanho do texto

Organizadores da Copa do Mundo de 1998, na França, fizeram esquema para que a seleção anfitriã só enfrentasse o Brasil na grande final do evento

O francês Michel Platini é ex-jogador de futebol e ex-presidente da Uefa
Reprodução
O francês Michel Platini é ex-jogador de futebol e ex-presidente da Uefa

Michel Platini fez uma revelação um tanto quanto polêmica nesta sexta-feira (18). Segundo o ex-jogador francês e ex-presidente da Uefa, o sorteio da Copa do Mundo de 1998 foi manipulado. No caso, o objetivo era evitar um confronto entre a seleção da França, anfitriã do evento, e do Brasil antes da final do torneio.

Leia também: Zidane pode assumir cargo de treinador da seleção francesa após a Copa do Mundo

"Quando organizamos o calendário, fizemos um pequeno esquema", afirmou Platini, que presidiu o Comitê Organizador da Copa do Mundo de 1998, realizada em seu país natal. "Se terminássemos em primeiro do grupo e se o Brasil terminasse em primeiro, apenas nos encontraríamos na final", disse à rádio France Bleu .

"Não tivemos problemas por seis anos para organizar a Copa do Mundo para, depois, organizar uma pequena manobra", garantiu. A manobra em questão se trata de uma organização dos cabeças de chave. Segundo o ex-jogador, conseguiram colocar o Brasil no grupo A e a seleção francesa no C.

O ex-dirigente ainda deixou subentendido que este tipo de manipulação acontece em outras edições do Mundial. "Você acha que os outros não fazem o mesmo nas suas Copas? É uma brincadeira?", disse Platini. "Brasil e França na final era o que todos sonhavam", afirmou sobre a final, na qual a equipe anfritriã de 1998 venceu a seleção brasileira por 3 a 0.

Leia também: Vai dar zebra? Entenda por que nenhuma das favoritas ganhará a Copa do Mundo

Brasil favorito ao título de 2018?

Seleção brasileira tem 21% de chances de ganhar a Copa do Mundo segundo método de avaliação escolhido pela FGV
Mauro Horita / MoWA Press
Seleção brasileira tem 21% de chances de ganhar a Copa do Mundo segundo método de avaliação escolhido pela FGV

Um estudo realizado pela Fundação Getulio Vargas (FGV) contraria o levantamento feito por economistas do gabinete chefe de investimentos do UBS Global Wealth Management sobre quem é o favorito a levar a Copa do Mundo da Rússia. Enquanto a avaliação estrangeira apontava a Alemanha como a seleção com maiores chances, o estudo nacional coloca o Brasil como principal candidato ao título.

Para chegar a essa conclusão de que o Brasil é favorito ao hexacampeonato da Copa do Mundo em 2018, foram observados os gols marcados e sofridos em cada partida das 207 seleções filiadas à Fifa nos últimos quatro anos em mais de 1 milhão de simulações.

Leia também: Futebol é momento? Saiba como os jogadores da seleção brasileira chegam à Copa

"Neste ano, a seleção brasileira tem 21% de chances de ganhar a Copa de 2018. Logo em seguida, vêm a Espanha, com 13%, e os a atual campeã, a Alemanha, com 11%. Os números mostram que será um torneio muito equilibrado", diz o professor da FGV Moacyr Alvim, responsável pela coordenação do estudo com o professor Paulo Cezar Carvalho.