Tamanho do texto

Levantamento feito por economistas do gabinete chefe de investimentos do UBS Global Wealth Management colocava Alemanha com maiores chances

Seleção brasileira tem 21% de chances de ganhar a Copa do Mundo segundo método de avaliação escolhido pela FGV
Mauro Horita / MoWA Press
Seleção brasileira tem 21% de chances de ganhar a Copa do Mundo segundo método de avaliação escolhido pela FGV

Um estudo realizado pela Fundação Getulio Vargas (FGV) contraria o levantamento feito por economistas do gabinete chefe de investimentos do UBS Global Wealth Management sobre quem é o favorito a levar a Copa do Mundo da Rússia. Enquanto a avaliação estrangeira apontava a Alemanha como a seleção com maiores chances, o estudo nacional coloca o Brasil como principal candidato ao título.

Leia também: Zidane pode assumir cargo de treinador da seleção francesa após a Copa do Mundo

Para chegar a essa conclusão de que o Brasil é favorito ao hexacampeonato da Copa do Mundo em 2018, foram observados os gols marcados e sofridos em cada partida das 207 seleções filiadas à Fifa nos últimos quatro anos em mais de 1 milhão de simulações.

"Neste ano, a seleção brasileira tem 21% de chances de ganhar a Copa de 2018. Logo em seguida, vêm a Espanha, com 13%, e os a atual campeã, a Alemanha, com 11%. Os números mostram que será um torneio muito equilibrado", diz o professor da FGV Moacyr Alvim, responsável pela coordenação do estudo com o professor Paulo Cezar Carvalho.

Também de acordo com o professor, a partir dos dados da força de ataque e defesa de cada equipe, foi possível simular o confronto entre as seleções. "É muito mais provável que o Brasil vença o seu primeiro jogo contra Suíça, mas pode ocorrer, com probabilidade baixa, a vitória da equipe europeia. Não é possível inserir na modelagem o imponderável e as surpresas do futebol", destaca.

Leia também: Veja 5 motivos que mostram por que Tite é um exemplo de liderança no Brasil

Ele diz ainda que os números da seleção brasileira poderiam ser melhores. No entanto, a fase de derrotas no comando do ex-técnico Dunga fez com que as probabilidades brasileiras ficassem mais reduzidas. "Porém, vale ressaltar que na Copa de 2014 o Brasil também era favorito com 28% de chances de levar a taça e não ganhou. Aconteceu aquele jogo atípico na semifinal, e esquecemos que eram 72% de chance de não ganharmos o torneio", lembra o professor, que faz quesão de ressaltar: "Esse ano, temos 82% de chance de não ficarmos em primeiro."

Segundo os cálculos do levantamento, foi possível indicar os prováveis resultados da fase de grupos da seleção comanda por Tite. De acordo com eles, a equipe canarinho deve sair invicta e sem levar gols. Os resultados apresentados são: o primeiro jogo será com um placar apertado, 1 a 0 contra a Suíça e, em seguida, 2 a 0 no jogo com a Costa Rica e o mesmo placar contra a Sérvia.

Leia também: Deschamps convoca França com jovens promessas e ausências de peso

O que surpreende nas estatísticas da FGV é o fraco desempenho das simulações de França, Argentina e Inglaterra, consideradas, por especialistas, seleções que chegam fortes para essa Copa do Mundo . A anfitriã Rússia, segundo a avaliação, tem apenas 18% de chance de chegar às quartas de finais.

    Leia tudo sobre: Futebol