Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Convocado por Mano, zagueiro já foi considerado desaparecido

Gremista Mário Fernandes hoje sorri ao lembrar de quando resolveu voltar para casa sem avisar diretoria

Hector Werlang, iG Porto Alegre |

Ao coroar a boa fase no Grêmio , a convocação para a seleção brasileira também foi a volta por cima na carreira de Mário . O zagueiro, ao comemorar a lembrança do técnico Mano Menezes para a disputa de amistoso com a Argentina, em entrevista coletiva nesta terça-feira, lembrou as dificuldades do início da carreira. Chegou até a brincar com o episódio em que fugiu do Olímpico em 13 de março de 2009.

Entre para a Torcida Virtual e convide seus amigos

Twitter iG Grêmio: Notícias e comentários em tempo real

“Não posso sumir da seleção, né! Aquilo agora é passado. Tenho de me dedicar, afinal, é a chance da minha carreira e espero aproveitá-la”, disse o atleta de 20 anos.

Depois de ser contratado do São Caetano, em fevereiro daquele ano, o jogador, em menos de um mês, foi convocado para um treino no profissional – Celso Roth era o treinador. Participou normalmente, porém, decidiu voltar para casa. Pegou um avião com destino a Londrina, no Paraná, e foi considerado desaparecido. Acabou encontrado, quatro dias depois, em Jundiaí, em São Paulo, na casa de um tio.

“Vim para o Grêmio de uma maneira complicada. Era jovem e o presidente do São Caetano (Nairo Ferreira) disse que teria de ir a Porto Alegre fazer exames. Quando vi nem tinha me despedido da minha família. Fiquei chateado e decidi voltar. Não queria nem mais jogar futebol”, recordou o jogador, que, na época, ganhou o apelido de “Doril” – dado pelo meia Souza, atualmente no Fluminense.

O caso começou a ser passado quando, quatro meses depois, com Paulo Autori, estreou e brilhou no clássico Gre-Nal. Desde então, o jogador foi personagem da indefinição: zagueiro ou lateral-direito? Com a convocação, pretende fixar posição na “beirada” do campo.

Mário recebeu a notícia da convocação, em casa, ao se preparar para jogar videogame. Ele contou temer o discurso de apresentação – costume dos novatos –, afinal, não é de falar:

“Vai ser a parte mais difícil, com certeza”.

Leia tudo sobre: grêmiobrasileirão 2011márioseleção brasileira

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG