Tamanho do texto

Rivais seguem empatados na ponta do Campeonato Português após o Benfica ter igualado no final da partida

AP
Kleber comemora seu gol e a convocação para a seleção
A festa foi quase completa para a torcida do Porto , que recebeu o Benfica no Estádio do Dragão pela abertura da sexta rodada nesta sexta-feira, jogou melhor durante boa parte do jogo, mas levou o empate por 2 a 2 no final e seguiu na liderança do Campeonato Português , ainda com a mesma pontuação dos Encarnados.

Veja a classificação do Campeonato Português

O destaque da partida ficou por conta do número de sul-americanos em campo. Dos 22 jogadores de cada time, 16 ao todo eram latinos, sendo oito brasileiros (quatro para cada lado), quatro argentinos, três uruguaios e um colombiano. Dos reservas que entraram estavavam mais dois hermanos, dois brasileiros e um uruguaio.

Os autores dos quatro gols não poderiam ser senão sul-americanos. K léber, convocado para a seleção brasileira , abriu o placar, aos 37 do primeiro tempo, mas deixou empatar duas vezes. Óscar Cardozo fez no início da segunda etapa, ao passo que Otamendi recolocou o Porto na frente e Gaitán deu números finais ao placar.

Com o empate os dois rivais ficam igualados na ponta do campeonato fica três pontos à frente do do Braga, que joga no complemento da rodada, que acontece sábado, domingo e segunda-feira.

O empate do Porto diante do modesto Feirense na última rodada, possibilitou aos Encarnados a chance de fazer com que a goleada por 4 a 1 sobre o Académica pudesse fazê-los encostar na liderança da competição, com os mesmos 13 pontos e, além disso, esquentou o clima do duelo da tarde desta sexta-feira.

Otamendi fez o segundo gol do Porto no clássico contra o Benfica
AP
Otamendi fez o segundo gol do Porto no clássico contra o Benfica

O Jogo - Querendo aproveitar a força das arquibancadas, o Porto começou em cima e Hulk, que não havia atuado na última partida, já chamou a responsabilidade para si. Motivado pela convocação para os amistosos da Seleção Brasileira em outubro, o atacante viu espaço pela direita, foi por essa direção e bateu forte, mas para fora.

Os Dragões conseguiam anular todas as opções ofensivas dos Encarnados e criavam boas oportunidades de abrir o placar, mas sem tanta eficiência. Sem permitir que o adversário organizasse uma jogada sequer, o Porto foi amplamente superior desde o início.

Aos 11, dois brasileiros brilharam na mesma jogada. Hulk dessa vez foi da esquerda para o meio, sua jogada típica, e atirou uma bomba defendida pelo goleiro Artur Moraes. Quinze minutos depois, outra oportunidade desperdiçada. O camisa 12 novamente bateu de longe, mas dessa vez pela linha de fundo.

Nesse momento da partida, outro brasileiro começou a chamar a atenção. Kléber, de 21 anos, o substituto natural de Falcao Garcia no elenco do Porto, encostou em Hulk para trocar passes e agredir o Benfica.

Em jogada criada pelo próprio Kléber, aos 28, Hulk meteu para Varela, que jogou no meio da área, onde estava Fucile. A finalização acabou brilhantemente defendida por Artur Moraes. Aos 37, no entanto, nem o goleiro brasileiro conseguiu evitar a festa da torcida e dos jogadores.

O meio-campista Guarín cobrou falta na primeira trave e Kléber saltou sobre Maxi Pereira para cabecear no outro poste e inaugurar o marcador a favor do Porto.

Se na primeira etapa o Benfica criou e finalizou muito pouco ao passo que o Porto mandou no jogo, o segundo tempo foi empolgante do início ao fim para os dois lados.

Logo aos dois minutos, Hulk perdeu uma bola perto da intermediária para Aimar, que serviu Nolito. O camisa 9 viu o paraguaio Óscar Cardozo livre na área. Na saída de Helton, Cardozo recebeu e atirou de pé esquerdo para dentro do gol. É o empate do Benfica.

A comemoração dos pouco mais de dois mil benfiquistas presentes na Cidade do Porto duraria exatos quatro minutos. Aos seis minutos, o zagueiro Nicolas Otamendi fez o Porto passar à frente mais uma vez. Em jogada originada por cobrança de escanteio, Varela recebeu e cruzou rasteiro do lado direito. Dentro da área, o argentino dividiu com Garay e emendou para dentro do gol, restabelecendo a vantagem dos portistas.

A solução encontrada por Jorge Jesus foi colocar em campo mais dois sul-americanos: Bruno César e Saviola. No entanto, o problema da partida foi ter ficado muito pegada, o que não permitiu aos talentos individuais brilharem.

Perto do apito final, com Hulk e Kléber apagados, o Benfica aumentou a intensidade de suas jogadas. A entrada de Saviola também fez a diferença. O gol de empate não demorou: Cardozo achou o argentino que, por sua vez, pressentiu a entrada de Gaitán no outro lado. Quando recebeu, o camisa 20 não perdoou e meteu para as redes do goleiro Helton.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.