Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Convocação de Damião reafirma a tendência exportadora do Inter

Em menos de cinco anos o clube formou três atacantes para a seleção e outros sete para o exterior

Gabriel Cardoso, iG Porto Alegre |

AFP
Leandro Damião foi formado pelo Atlético de Ibirama-SC, mas evoluiu no Internacional
A convocação de Leandro Damião para a seleção brasileira confirma uma tendência no Inter. Desde o primeiro título Mundial em 2006 o clube se tornou um exportador de atacantes. Seja para a seleção brasileira ou para clubes do exterior, ou para os dois casos, conseguir uma vaga como atacante do clube gaúcho é meio caminho andado para o sucesso.

O iG foi buscar quais atacantes do Beira-Rio conseguiram parar no futebol do exterior em menos de cinco anos. Damião passa a integrar a seleta lista de Alexandre Pato e Nilmar, lançados em Porto Alegre e que conseguiram vestir a camisa verde amarela. Os três, aliás, integram a atual lista do técnico Mano Menezes para o amistoso diante da Escócia no domingo.

Outros sete atacantes surgidos no Inter não chegaram na seleção, mas arranjaram espaço no futebol europeu. Quem abriu a porta foi Alexandre Pato. Ele foi vendido para o Milan ainda em 2006, antes do Mundial de clubes, e transferiu-se em 2007 para a Itália. Logo depois do Mundial, Luiz Adriano, que sequer chegou a se firmar como titular, foi parar no Shakhtar da Ucrânia.

Reuters
Nilmar já foi duas vezes vendido pelo Inter. Em 2004 para o Lyon e em 2009 para o Villarreal
Em 2008 o Inter exportou mais dois jogadores. O centroavante Wellington não conseguiu espaço no Inter, mas fez gols importantes pelo Náutico, para quem foi emprestado. O desempenho rendeu uma transferência para o Hoffenhein (Alemanha). Léo, outro que sequer jogou muito diante da torcida gaúcha, também foi parar na Europa. O destino foi o Lecce (Itália).

A média subiu em 2009. Foram três os atacantes transferidos para a Europa. Quando chegou ao Beira-Rio o atacante Adriano (ex-jogador do ADAP-PR) não era tão jovem, já tinha 25 anos, mas teve no clube a grande chance de projeção. Bastaram menos de duas temporadas para o atacante ir para o Málaga (Espanha). Nilmar foi “exportado” pela segunda vez naquela temporada, desta vez o destino era o Villarreal (Espanha). Ainda deu tempo de Alan Kardec trocar Porto Alegre por Lisboa após dois jogos com a camisa vermelha. O atacante, que estava cedido pelo Vasco, foi para o Benfica.

Walter e Taison foram os atacantes cedidos pelo Inter ao futebol mundial em 2010. O primeiro deixou a base do clube para jogar no Porto de Portugal. O segundo era titular absoluto, mas foi seduzido por uma oferta do Metalist (Ucrânia).

Damião é o novo produto de exportação do Inter. Os torcedores esperam que por enquanto seja apenas para a seleção brasileira. O camisa 9 já disse que sua prioridade é pensar no Inter e trabalhar pelo Inter.

“Eu penso no Inter, em aproveitar todos os jogos que tenho. Quero sempre melhorar. Se chegar proposta quem decide é a diretoria. Eu só penso no Inter e quero o melhor para o Inter”, disse.
 

AFP
Taison foi para o Metalist Kharkiv por quase R$ 14 milhões

Leia tudo sobre: InternacionalLeandro DamiãoNilmarAlexandre Pato

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG