Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Contra sul-americano mais complicado, Brasil encara mata-mata

Seleção enfrenta o Paraguai pelas quartas de final da Copa América, neste domingo, às 16h

Marcel Rizzo e Paulo Passos, enviados iG a Los Cardales |

Depois de uma titubeada, Mano Menezes resolveu insistir em seu esquema ofensivo que pretende levar até a Copa do Mundo de 2014. Neste domingo, às 16h em La Plata, a seleção brasileira volta a enfrentar o Paraguai na Copa América, desta vez em jogo decisivo pelas quartas de final, só que agora o treinador não vai mudar o esquema: jogam juntos Paulo Henrique Ganso, Robinho, Neymar e Alexandre Pato contra o rival sul-americano mais indigesto que o Brasil tem nos últimos anos.

Ricardo Stuckert/CBF
Mano Menezes conversa com os jogadores durante o treino da seleção brasileira


 Levantamento feito pelo iG dos dez últimos jogos da seleção contra os nove adversários sul-americanos que disputam a Copa América (México e Costa Roca são convidados da América Central), mostra que o Paraguai é o adversário que mais tem dado trabalho. Foram quatro derrotas, com dois empates e quatro vitórias. Só que há um detalhe: nenhum desses duelos foi em mata-mata, como na partida deste domingo – se houver empate há prorrogação de 30 minutos e, persistindo a igualdade, decisão por pênaltis.

“O Paraguai é um adversário que evoluiu de uma maneira extraordinária nos últimos 15 anos, a ponto de ter chegado às quartas de final de uma Copa do Mundo e ter feito um jogo parelho contra a Espanha, que seria campeã (perdeu só por 1 a 0). O jogo será mais uma vez decidido por pouco”, disse o técnico Mano Menezes.

O treinador espera um adversário fechado, novamente com três defensores e marcadores no meio de campo. O Paraguai é o time que mais rouba bolas na competição, mas desta vez e entrada de Jadson, para ajudar Ganso na armação, foi descartada. Robinho terá essa função diferenciada, de jogar um pouco mais recuado – algo que Mano havia descartado no começo da competição.

“Não há muita diferença para mim, não. Quero jogar e ajudar a seleção, seja marcando gols ou dando passes”, disse Robinho, que depois da estréia contra a Venezuela (0 a 0) reclamou de estar saindo muito do time, perdeu a vaga no jogo seguinte (frente o Paraguai), mas voltou contra o Equador( 4 a 2) nesta nova função. Ele ainda não marcou na Copa América.


Paraguai foi rival sul-americano mais complicado para o Brasil nos últimos 10 jogos:
Adversário Derrotas Vitórias Empates
Paraguai 4 4 2
Argentina 3 5 2
Bolívia 3 5 2
Equador 2 7 1
Uruguai 1 4 5
Venezuela 1 7 2
Chile 0 9 1
Peru 0 6 4
Colômbia 0 6 4


Dúvidas
Mano Menezes e Gerardo Martino, técnico do Paraguai, têm dúvidas. O brasileiro faz mistério quando à utilização do zagueiro Thiago Silva, que sentiu dor no músculo adutor da coxa direita e não participou dos treinamentos da sexta-feira e do sábado. Ele fará um teste momentos antes da partida, no estádio, mas o departamento médico está confiante.

Já Martino tem problema no ataque e com um de seus principais jogadores: o atacante Roque Santa Cruz, do Blackburn (da Inglaterra). Autor de um dos gols no empate com o Brasil (2 a 2), o jogador sentiu dores na coxa e saiu no primeiro tempo do empate contra a Venezuela, 3 a 3. Se ele não jogar vai a campo Valdez, que fez o outro gol sobre Julio Cesar na partida pelo Grupo B, em Córdoba.

FICHA TÉCNICA
BRASIL X PARAGUAI

Data: 17 de julho (domingo)
¿Local: Estádio Único de La Plata, na Argentina¿
Horário: 16h (de Brasília)
¿Árbitro: Sérgio Pezzotta (Argentina)¿
Assistentes: Ricardo Casas (Argentina) e Efraín Castro (Bolívia)

Brasil :
Julio Cesar; Maicon, Lúcio, Thiago Silva (David Luiz) e André Santos; Lucas Leiva, Ramires e Paulo Henrique Ganso; Robinho, Alexandre Pato e Neymar. Técnico: Mano Menezes

Paraguai: Villar; Verón, Paulo da Silva, Alcaraz e Torres; Riveros, Ortigoza, Vera (Barreto) e Estigarribia; Santa Cruz (Haedo Valdez) e Barrios. Técnico: Gerardo Martino
 

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG