Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Contra mala branca e entregadas, Carpegiani sugere clássicos nas rodadas finais

Treinador são-paulino aponta a realização dos confrontos entre adversários regionais como medida para combater o desinteresse de algumas equipes na reta final do Brasileirão

Levi Guimarães, iG São Paulo |

`

Assim como já aconteceu em anos anteriores, a reta final do Campeonato Brasileiro em 2010 vem gerando discussões sobre supostos casos de mala branca (quando um time já desinteressado receberia um incentivo financeiro para vencer um jogo) e da possibilidade de equipes entregarem partidas para prejudicarem seus adversários mais tradicionais.

Nesse cenário, o técnico Paulo César Carpegiani aproveitou uma pergunta sobre o tema para dar uma sugestão de como resolver esse problema para os próximos anos.

Abrindo um parêntese nisso tudo. Um pensamento meu é que para evitar esse tipo de coisa talvez fosse melhor que o penúltimos, último jogo fossem os clássicos locais. Um Grenal, os rivais do Rio. Isso poderia fortalecer o campeonato. Se o Grêmio, por exemplo, quisesse ganhar, ia encontrar o Inter, que não ia facilitar, disse o treinador.

Carpegiani descartou qualquer possibilidade de o São Paulo entrar em campo sem sua força máxima em qualquer uma das últimas três partidas do Brasileirão. Mas o treinador destacou que não apenas o confronto do próximo domingo com o Fluminense pode ter uma participação decisiva de sua equipe.

Enquanto o resultado contra os cariocas, pode ser decisivo em relação ao título, os outros dois jogos que restam ao São Paulo podem influenciar diretamente na briga contra o rebaixamento. Não é só o Fluminense. Depois temos o Atlético-GO e o Atlético-MG, e nós não queremos ser o desnível dessas equipes, que estão buscando honestamente ficar na primeira divisão.

Para que seu time não seja o desnível do campeonato, o comandante são-paulino já descartou também usar as últimas rodadas do Brasileirão para observar jogadores que tiveram poucas chances ao longo do ano, principalmente aqueles vindos das categorias de base. Mas não condena a decisão de Luiz Felipe Scolari, que fará isso no Palmeiras para priorizar a disputa pelo título da Copa Sul-Americana.

O caso do Felipe é diferente do nosso. Ele tem uma competição em que pode ser campeão para ganhar uma vaga na Libertadores. No nosso caso eu não tenho porque poupar jogador. Nossa obrigação é entrar em campo para vencer, isso é dignificar o futebol, disse Carpegiani.

Leia tudo sobre: campeonato brasileirofutebolsão paulo

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG