Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Contestado no início, Cuca comemora 30ª vitória no Cruzeiro

Treinador enfrentou desconfiança em sua chegada, mas conquistou os cruzeirenses com bons resultados

Frederico Machado, iG Belo Horizonte |

Depois do fim da “era Adilson Batista” no ano passado, a opção da diretoria para o comando do Cruzeiro não agradou muito à torcida. O técnico Cuca chegou ao time mineiro durante a paralisação para a realização da Copa do Mundo do ano passado sem nenhum título de expressão, mas, bem ao estilo “mineirinho”, foi conquistando seu espaço e já é uma espécie de unanimidade entre os cruzeirenses atualmente.

A vitória sobre o Guaraní, do Paraguai, pela Copa Libertadores, foi a 30ª do treinador no comando do Cruzeiro. No total, são 46 jogos, com 30 vitórias, oito empates e apenas oito derrotas (71,01% de aproveitamento), com 88 gols a favor e 38 contra.

O técnico fez questão de agradecer aos seus jogadores pela marca alcançada no Paraguai. “Não é meu isso daí, eu transfiro direto para os jogadores. Lógico que a gente fica muito feliz, mas é um esporte coletivo. Eu faço parte de uma engrenagem e a principal engrenagem são eles no campo. Os parabéns que eu recebo, eu passo diretamente para meus jogadores”, comentou.

O treinador chegou a Minas Gerais na metade do Campeonato Brasileiro de 2010 e reergueu um time que estava desacreditado depois da eliminação na Copa Libertadores. Sob o comando de Cuca, o Cruzeiro lutou até a última rodada pelo título do Brasileirão e acabou com o vice-campeonato.

Vipcomm
Cuca chegou à sua 30ª vitória no comando do Cruzeiro no último jogo

Já na temporada de 2011, o treinador teve tempo suficiente para montar o elenco ao seu gosto e pedir as contratações desejadas para a diretoria. As boas campanhas no Estadual e na Libertadores chamaram a atenção do Fluminense, que fez uma proposta milionária ao treinador depois da saída de Muricy Ramalho. O treinador revelou ter “balançado” com a proposta, mas recusou.

“Se eu falar que disse de primeira ‘não vou’, é mentira. Mas, por outro lado, o Cruzeiro abriu as portas para mim no momento que eu estava desempregado. A vida não é só dinheiro. Deus abençoe que a gente tenha feito o certo e possa colher os frutos do que estamos plantando”, analisou o treinador à época.

Cuca disse se sentir em casa no Cruzeiro assim como se sentia no Fluminense. “Não é justo também eu ter pedido algumas contratações, o clube ter corrido atrás do que a gente pediu. A gente adora o clube, a torcida é maravilhosa, o tratamento que a gente tem com a imprensa, o ambiente que tenho com os jogadores é igual ao que eu tinha no Fluminense”, disse o treinador depois da recusa ao Fluminense.
 

Leia tudo sobre: CruzeiroCopa Libertadores 2011Cuca

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG