Tamanho do texto

Treinador enfrentou desconfiança em sua chegada, mas conquistou os cruzeirenses com bons resultados

Depois do fim da “era Adilson Batista” no ano passado, a opção da diretoria para o comando do Cruzeiro não agradou muito à torcida. O técnico Cuca chegou ao time mineiro durante a paralisação para a realização da Copa do Mundo do ano passado sem nenhum título de expressão, mas, bem ao estilo “mineirinho”, foi conquistando seu espaço e já é uma espécie de unanimidade entre os cruzeirenses atualmente.

A vitória sobre o Guaraní, do Paraguai, pela Copa Libertadores, foi a 30ª do treinador no comando do Cruzeiro. No total, são 46 jogos, com 30 vitórias, oito empates e apenas oito derrotas (71,01% de aproveitamento), com 88 gols a favor e 38 contra.

O técnico fez questão de agradecer aos seus jogadores pela marca alcançada no Paraguai. “Não é meu isso daí, eu transfiro direto para os jogadores. Lógico que a gente fica muito feliz, mas é um esporte coletivo. Eu faço parte de uma engrenagem e a principal engrenagem são eles no campo. Os parabéns que eu recebo, eu passo diretamente para meus jogadores”, comentou.

O treinador chegou a Minas Gerais na metade do Campeonato Brasileiro de 2010 e reergueu um time que estava desacreditado depois da eliminação na Copa Libertadores. Sob o comando de Cuca, o Cruzeiro lutou até a última rodada pelo título do Brasileirão e acabou com o vice-campeonato.

Cuca chegou à sua 30ª vitória no comando do Cruzeiro no último jogo
Vipcomm
Cuca chegou à sua 30ª vitória no comando do Cruzeiro no último jogo

Já na temporada de 2011, o treinador teve tempo suficiente para montar o elenco ao seu gosto e pedir as contratações desejadas para a diretoria. As boas campanhas no Estadual e na Libertadores chamaram a atenção do Fluminense, que fez uma proposta milionária ao treinador depois da saída de Muricy Ramalho. O treinador revelou ter “balançado” com a proposta, mas recusou.

“Se eu falar que disse de primeira ‘não vou’, é mentira. Mas, por outro lado, o Cruzeiro abriu as portas para mim no momento que eu estava desempregado. A vida não é só dinheiro. Deus abençoe que a gente tenha feito o certo e possa colher os frutos do que estamos plantando”, analisou o treinador à época.

Cuca disse se sentir em casa no Cruzeiro assim como se sentia no Fluminense. “Não é justo também eu ter pedido algumas contratações, o clube ter corrido atrás do que a gente pediu. A gente adora o clube, a torcida é maravilhosa, o tratamento que a gente tem com a imprensa, o ambiente que tenho com os jogadores é igual ao que eu tinha no Fluminense”, disse o treinador depois da recusa ao Fluminense.