Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Conheça histórias que reforçam o folclore sobre Alex Ferguson

Técnico do Manchester tem temperamento difícil, recheado por grande um senso de humor. Veja exemplos

Alex Sabino, especial para o IG |

Passar mais de 25 anos à frente do Manchester United é tarefa para um personagem único. E, como todo personagem único, Alex Ferguson coleciona episódios polêmicos e histórias incríveis.

Alex Ferguson falou com exclusividade ao iG e deixou evidente seu estilo implacável

Conheça abaixo alguns exemplos, que ajudam a forjar o mito ao redor de Sir Alex.

Não vá se achando!
Destacado jornal londrino contratou um novo repórter para cobrir o Manchester United no final da década de 90. O jornalista não perdeu a chance de se apresentar a Alex Ferguson na primeira coletiva. Cumprimentaram-se e trocaram algumas palavras. O técnico desejou-lhe boa sorte. Após a conferência de imprensa, o setorista se aproximou.

Deixe o seu recado e comente a notícia com outros torcedores

“Então, Alex... Já que nós vamos trabalhar juntos a partir de agora, você poderia me dar o número do telefone da sua casa?”

Ferguson reagiu com um muxoxo de escárnio.

“Não. E não fique achando que eu ter apertado a sua mão significa alguma coisa.”

AP
Giggs comemora gol pelo Manchester: rotina

A balada virou bronca, e Giggs não esquece
Alguns jogadores das categorias de base e outros profissionais resolveram dar uma festa na casa de Lee Sharpe, em 1991. Então com 17 anos, Ryan Giggs havia disputado no mês anterior a primeira partida pelo time e estava presente.

Com uma vasta rede de informantes espalhada pela cidade, Ferguson logo ficou sabendo do evento, que seria realizado a dois dias de uma partida.

Apareceu pessoalmente, de surpresa, no local. Expulsou todas as garotas, mandou os outros para casa e deu o que o próprio Giggs considerou a maior bronca que recebeu na vida. Um dos atletas, para não ser descoberto, ficou quatro horas escondido no armário da cozinha.

Contratação de Eric Cantona
Ele gosta de alimentar lendas a respeito de si mesmo. As favoráveis, claro. Uma de suas preferidas é sobre a contratação de Eric Cantona. A história é parte verdade, parte mitologia. Dirigente do Leeds United telefonou, em 1992, para o então chairman (espécie de presidente) do Manchester United, Martin Edwards, para saber se os Diabos Vermelhos tinham interesse em negociar o lateral Denis Irwin.

A resposta foi negativa. Sir Alex diz que, no meio da conversa, teve uma ideia e entregou papel a Edwards em que estava escrito “pergunte a ele sobre Cantona”. E esse foi o início das tratativas que resultaram na contratação do irascível artilheiro. A verdade é que Ferguson já havia sido alertado pelo ex-treinador da seleção francesa, Gerard Houllier, de que o atacante estava insatisfeito e consideraria uma transferência para Old Trafford.

Antigos desafetos
Ferguson não esquece. O começo da birra com Gordon Strachan foi porque, nos tempos de Aberdeen (entre 1978 e 1986), se convenceu que o volante foi o responsável pelo sumiço de uma fita que obrigava os jogadores a escutarem, no ônibus, no caminho para o estádio, toda semana. Era uma palestra de Bill Shankly, outra lenda do futebol escocês. “Se ele realmente acha que fui eu... está certo”, confessou Strachan, anos depois.

As diferenças com o Manchester Evening News tiveram início em 1995, quando o United perdeu o título inglês, a final da Copa da Inglaterra e Ferguson decidiu vender Paul Ince, Andrei Kanchelskis e Mark Hughes. O jornal conduziu pesquisa perguntando aos leitores se o técnico deveria continuar. Torcedores do Manchester City votaram em peso e o resultado final foi que deveria ser demitido. Ele nunca perdoou o diário por isso.

AP
O grandioso Old Trafford ficou ainda maior sob Ferguson

Anjos e diabinhos
Como qualquer grande personagem, é capaz de gestos de enorme generosidade e atitudes duvidosas em curto espaço de tempo.

Fascinado com o Camp Nou, em Barcelona, insistiu várias vezes para que a capacidade de Old Trafford fosse aumentada. Conseguiu sempre o que queria e o local hoje abriga 76 mil torcedores. Defendeu a tese (aceita pela diretoria) que torcedores cadastrados no clube e portadores de deficiência deveriam, no maior número possível, ter direito a entrar de graça nos jogos. Hoje o United oferece 200 lugares para cadeirantes, com direito a um acompanhante. Também tem 40 assentos reservados para portadores de deficiência visual, que recebem fones para escutarem a transmissão da partida.

Quando o Preston North End, da Segunda Divisão, demitiu Darren Ferguson (filho de Sir Alex) do comando da equipe, no dia seguinte ele obrigou os Diabos Vermelhos a enviarem fax pedindo a devolução de três jogadores que estavam emprestados ao time.

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG