Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Concorrentes a prêmio da Fifa colocam Messi ao lado de lendas

Argentino é comparado a Pelé, Di Stéfano e Maradona por Guardiola e Alex Ferguson. Para Xavi, é impossível bater Messi agora

iG São Paulo |

Getty Images
Ferguson, Guardiola, Messi e Xavi em entrevista em Zurique, na Suíça

Lionel Messi deve chegar ao patamar de craques como Di Stéfano, Pelé e Maradona. Na entrevista que antecedeu à entrega do prêmio Fifa dos melhores de 2011 (evento que começa às 16h de Brasília), o argentino foi paparicado pelos outros três integrantes da mesa: Pep Guardiola, seu treinador no Barcelona, e Alex Ferguson, comandante do Manchester United, disputam a taça de melhor técnico. Já Xavi, que joga ao lado de Messi no Barça e concorre a melhor jogador, admitiu ser impossível ganhar o prêmio no momento.

Leia mais: Mesmo sem convencer na seleção, Messi está pronto para entrar na história

“Enquanto o Messi estiver jogando o que está jogando, é impossível tirar dele o título de melhor do mundo”, disse Xavi. O treinador José Mourinho e o atacante Cristiano Ronaldo, ambos do Real Madrid e que também disputam os troféus, não compareceram.

Veja também: Imagens e gols da carreira de Messi

Ferguson, que comandou o United na derrota para o Barcelona na final da Liga dos Campeões em maio, acha que Messi já é o melhor jogador de sua época, como o argentino Di Stéfano foi da sua (anos 50), Pelé na dele (anos 60 e 70) e Maradona nos anos 80. Guardiola acha que Messi é diferenciado porque consegue manter a excelência por anos seguidos.

O troféu:  Messi, Xavi ou Cristiano Ronaldo? Veja os motivos pelos quais cada um merece a taça

AP
Argentino Lionel Messi falou menos do que todos e só sorria ao receber elogios
“Grandes jogadores às vezes têm uma ótima temporada, mas depois se apagam. Messi não, ele está faz três, quatro anos jogando no limite de um futebol encantador. Isso pode fazer com que no futuro seja comparado aos grandes. Eu não vi Pelé e Di Stéfano jogar, então tem que perguntar ao Alex Ferguson se Messi atingiu esse patamar”, brincou Guardiola, que tem 41 anos e é 30 anos mais moço do que o treinador do time inglês.

Messi ouvia tudo sorrindo. Quando falou, preferiu exaltar seu time, considerado o melhor do mundo e que em dezembro conquistou o Mundial batendo o Santos na decisão por 4 a 0, no Japão. “Prêmios individuais são bons, mas tenho que entender que tudo o que consigo é com base no que faço no meu time”, disse Messi.

Prêmios
Messi é super favorito para ser eleito pela terceira vez seguida como melhor do mundo, igualando feito de Ronaldo. Guardiola também deve faturar sua taça, apesar de desenhar da importância de um treinador para o sucesso de uma equipe.

“Você precisa de todo uma equipe, de grandes jogadores, de ótimos profissionais, e isso facilita muito o trabalho. É diferente de você dizer que o (Rafael) Nadal, ou o (Roger) Federer e o (Novak) Djokovic são os melhores, porque jogam um esporte individual, com pouca gente por trás. O mérito é todo, ou quase todo, deles. Nós treinadores somos apenas uma ponta em um grande time”.

Veja galeria do prêmio Bola de Ouro da Fifa:

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG