Time da Holanda desembarcou, nesta sexta-feira, em Goiás, para disputar o amistoso no sábado

Rafael Lucas Freitas tem 25 anos, nasceu em São Paulo e nunca esteve na Holanda. Mesmo assim, ele sofreu na semifinal da Copa do Mundo de 1998 com a vitória da seleção brasileira. Doze anos depois, no Mundial de 2010, se sentiu vingado, quando os holandeses derrubaram o Brasil de Dunga.

Nesta sexta-feira, ele foi o primeiro a chegar ao aeroporto de Goiânia com camisa e boné da Holanda para ver e tentar falar com os jogadores do rival do Brasil no amistoso deste sábado. Conseguiu cumprir com seu objetivo. Assistiu de perto a chegada dos ídolos e ainda contou com a simpatia de Dirk Kuyt. O atacante do Liverpool fez questão de dar autógrafos para os torcedores que estavam no desembarque.

Atacante Kuyt para e dá autógrafos aos torcedores que foram recepcionar a Holanda em Goiânia
Paulo Passos
Atacante Kuyt para e dá autógrafos aos torcedores que foram recepcionar a Holanda em Goiânia

“Ele foi muito simpático. Assinou a camisa e a bandeira. Estou tremendo de emoção”, contava o brasileiro, que diz torcer para o São Paulo . “Mas quando é seleção, sou mais Holanda”, explicava.

Difícil foi para René Rarenberg entender a escolha. Desde 2005 vivendo no Brasil, o holandês também foi ao aeroporto com camisa do Brasil, bandeira e boné da Holanda. Na espera dos jogadores conversou com os “colegas” de time.

Com camisa do Brasil, René Rarensberg conversa com fãs da Holanda no aeroporto
Paulo Passos
Com camisa do Brasil, René Rarensberg conversa com fãs da Holanda no aeroporto
“Não sei porque eles torcem para a Holanda. Eu, sim, vou torcer, mas fico dividido também. Minha filha estará com o Brasil”, contou. “Na Copa (quando o Brasil venceu a Holanda) foi bom porque consegui ganhar R$ 63 no bolão do meu trabalho”, disse.

No papo com os brasileiros fãs da Holanda, ele tentou ensinar a pronunciar dos jogadores. “Vocês falam errado o nome do Kuyt. Não é ‘quiiilti’. Tem um som de 'o' no meio”, explicou. Além disso, ensaiou um “Hulp, Holland, hulp!”, grito típico da torcida nos estádios.

Holandeses escolhem o Rio
A seleção da Holanda fará nesta sexta-feira o único treino no Serra Dourada, em Goiânia. O time preferiu ficar no Rio de Janeiro , para onde, inclusive voltará após a partida contra o Brasil, no sábado. Na próxima terça-feira, os holandeses enfrentarão o Uruguai em Montevideu.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.