Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Com time globalizado, Inter de Milão vence Seongnam com facilidade na semi do Mundial

¿Italianos¿ entraram em campo sem jogadores nascidos no país e ganharam por 3 a 0. Com menos pressão sobre Rafa Benítez, a Inter pega o Mazembe na decisão, enquanto coreanos são rivais do Inter brasileiro na disputa pelo 3º lugar

Marcel Rizzo, enviado iG a Abu Dhabi |

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=esporte%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237882723303&_c_=MiGComponente_C

Não teve zebra na segunda semifinal do Mundial de clubes. A Internazionale de Milão venceu nesta quarta-feira o Seongnam  Chunma, da Coreia do sul, por 3 a 0, no Zayed Sports City, nos Emirados Árabes Unidos, e está na decisão contra a surpresa africana Mazembe, da República Democrática do Congo. O Inter brasileiro encara os coreanos na disputa pelo terceiro lugar. Os dois jogos ocorrem sábado, às 12h (preliminar) e às 15h (a final) de Brasília.

O time da Itália honrou o termo mundial da competição chancelada pela Fifa. Não havia um italiano na equipe que começou a partida (eram oito nacionalidades diferentes). Com um futebol seguro defensivamente e de toque de bola rápido, envolveu o Seongnam e conseguiu ser eficiente nas conclusões, algo que o Inter não fez contra o Mazembe, na terça-feira. Os gols foram marcados por Stankovic, Zanetti e Milito.

Os gols foram comemorados com emoção, o que mostra que a pressão que o time sofre na Itália é forte. O técnico Rafa Benitez está cotado para sair já que o time é somente o sexto no campeonato e se classificou em segundo do Grupo A na Liga dos Campeões. O título em Abu Dhabi acalmaria tudo isso.

O público anunciado foi o maior da competição até agora, 35.995 presentes. Italianos e coreanos eram minoria, já que a Fifa novamente cedeu ônibus e deu ingressos para que pessoas de lugares mais afastados de Abu Dhabi (outros emirados, como Dubai e Al Ain), evitasse um estádio vazio. O Zayed tem capacidade para 45 mil pessoas sentadas.

AFP
O ex-santista Molina assustou em cobrança de falta, mas seu time perdeu

Gol relâmpago
Com um minuto de jogo o holandês Sneijder se machucou depois de uma entrada violenta. O brasileiro Thiago Motta o substituiu e dois minutos depois o sérvio  Stankovic aproveitou jogada rápida, recebeu de Milito e dentro da área abriu o placar.

Para quem imaginava que ele somente levantaria a bola e correria para o meio de campo para que o árbitro reiniciasse a partida, a decepção: Stankovic vibrou bastante, o banco de reservas da Inter vibrou bastante, a torcida vibrou bastante e jornalistas italianos na tribuna também vibraram bastante. Os europeus, pelos menos da Inter, estão levando muito a sério a competição.

Os italianos controlaram o jogo no primeiro tempo como quiseram. O camaronês Etoo aberto na esquerda, o argentino Milito centralizado e o macedônio Pandev pela direita. Stankovic ditava o ritmo e os sul-coreanos (que tinham apenas três estrangeiros na equipe) pareciam felizes apenas por estar no mesmo gramado do que o campeão europeu.

Com o colombiano Molina, o Seongnam tentava equilibrar a partida em cobranças de falta, mas a única vez que as bandeirinhas que os coreanos levaram ao estádio puderam ser agitadas foi no finalzinho do jogo, quando a cobrança passou bem perto do gol do brasileiro Júlio César. Só que minutos antes, aos 38 minutos, o argentino Zanetti já havia ampliado o marcador, depois de tabelar com Milito, que devolveu de calcanhar magistralmente.

Zanetti correu para o banco de reservas, também vibrando bastante, e abraçou o italiano Materazzi e o técnico espanhol Rafa Benitez. Com o cargo a perigo, ele parecia aliviado quando deixou o gramado para passar as orientações no vestiário.

AP
Argentino Milito deu uma assistência e marcou um gol nesta quarta-feira

Passeio
Sem preocupação, a Inter voltou com a formação que terminou o primeiro tempo.  A zaga formada por Zanetti, pelo brasileiro Lúcio, pelo colombiano Córdoba e pelo romeno Chivu, auxiliada pelo volante argentino Cambiasso, só tomou o susto quando seu time já vencia por 3 a 0 ¿ Milito marcou em lance duvidoso, que encostou o braço na bola. Os coreanos reclamaram bastante. Depois da defesa de Júlio César, Radoncic chutou para fora sem goleiro.

A Inter tocava a bola, o Seongnam olhava e Benitez ainda poupou Milito e Chivu, colocando o ganês Muntari e o italiano Santon. Sim, a Inter terminou a partida com pelo menos um jogador nascido em seu país no campo.

FICHA TÉCNICA - SEONGNAM ILHWA-CDS 0 x 3 INTERNAZIONALE-ITA

Local: Estádio Zayed Sports City, em Dubai (Emirados Árabes Unidos)
Data: 15 de dezembro de 2010, quarta-feira
Horário: 15h (horário de Brasília)
Árbitro: Roberto Moreno (PAN)
Assistentes: Daniel Williamson (PAN)) e Leonel Leal (CRC)
Cartões amarelos: Sasa (Seongnam)

GOLS:
INTERNAZIONALE: Stankovic, aos 3, e Zanetti, aos 32 minutos do primeiro tempo; Diego Milito, aos 28 minutos do segundo tempo

SEONGNAM ILHWA: Sung-Ryong; Sasa, Byung-Kuk, Jae-Sung e Sung-Hwan; Chul, Jae-Cheol (Kwang-Jin), Molina e Radončić (Jin-Ryong); Sung-Kuk (Ho-Young) e Dong-Geon. Técnico: Tae-Yong Shin

INTERNAZIONALE: Júlio César; Zanetti, Córdoba, Lúcio e Chivu (Santon); Cambiasso, Stankovic e Sneijder (Thiago Motta); Pandev, Milito (Muntari) e Eto'o Técnico: Rafa Benítez

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG