Jovem meia atleticano ganhou espaço no time depois de se destacar nas últimas semanas de treinamentos

Flickr/Clube Atlético Mineiro
Giovanni (camisa 14) é abraçado pelos companheiros depois de fazer um gol no América-TO
Revelado pelo Atlético-MG no ano passado, o meia Giovanni chegou ao time profissional cercado de expectativa. Destaque da base atleticana, o jogador então com 20 anos, chegava recomendado por que o acompanhou na base e também pelo amigo Paulo Henrique Ganso, com quem jogou junto nos tempos de Tuna Luso e Paysandu, em Belém.

Foram somente duas partidas com o técnico Vanderlei Luxemburgo. Sem espaço, Giovanni seguiu para o Náutico. A passagem por Recife e a oportunidade de disputar uma Série B foram importantes para o jogador, que no último domingo fez apenas a sua terceira partida como profissional do Atlético-MG.

“Eu poderia dizer só o fato de ter disputado a Série B, que é um campeonato de qualidade, eu peguei um pouco de experiência. Hoje me sinto mais tranquilo para entrar em campo e ajudar os companheiros”, contou Giovanni, que deve ganhar mais oportunidades no time titular, em função do bom futebol apresentado nos treinos e na última partida, além da grave contusão de Jackson . “Agora com Dorival tive a oportunidade de entrar, me preparei para o jogo e fui bem. Agora é ter os pés no chão para ter o mesmo rendimento do jogo passado quando pintar uma oportunidade”.

Embora esteja reintegrado ao grupo profissional do Atlético-MG desde janeiro, Giovanni estava sem espaço. Segundo o técnico Dorival Júnior, o garoto não estava se empenhando nos treinamentos. A partir do momento que mudou a postura nos treinos, Giovanni ganhou espaço. Dorival Júnior elogiou o garoto e avisou que o mesmo vale para todos do grupo atleticano.

“Ele se preparou para isso, essa é a diferença. Se o Giovanni me desse uma resposta positiva já há mais tempo, ele teria essa oportunidade. Estávamos aguardando um momento como esse. Ele fez as duas últimas semanas de treinamento muito boas e, em cima disso, teve a oportunidade, assim como aguardamos por outros jogadores também”.

Entre os sete gols do Atlético-MG sobre o América-TO, nenhum foi tão festejado pelos jogadores quanto foi o gol de Giovanni. O primeiro dele pelo clube, motivo de alegria para os amigos de longa data, como o também meia Renan Oliveira. Mesmo dois dias depois de marcar, Giovanni não esconde a satisfação com o primeiro gol pelo Atlético-MG.

“Foi uma alegria muito grande. No decorrer do jogo o Renan Oliveira falou que queria um gol meu, para eu ficar próximo dele, que se dependesse dele eu faria o meu gol. Graças a Deus puder fazer o gol, uma felicidade imensa. Todos os companheiros foram comemorar comigo, foi uma sensação muito agradável”.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.