Acesso ao campo não foi permitido e almoço caro não compensou para olhar atletas dentro de uma van

Torcedores só conseguiram ver os atletas dentro do carro que os leva do campo para o quarto
Paulo Passos
Torcedores só conseguiram ver os atletas dentro do carro que os leva do campo para o quarto
Depois de quatro dias de treinos no hotel concentração na pequena cidade de Los Cardales , a 60 km de Buenos Aires, pela primeira vez na tarde desta sábado os jogadores brasileiros viram torcedores. Pelo menos dez, entre uma família que mora em Campana (cidade a 10 km do hotel) e um quarteto de amigas que vivem em Pilar (cidade a 20 km do hotel) conseguiram furar parcialmente o bloqueio da segurança e ver os jogadores mais ou menos de perto.

“Sabíamos que o Brasil estava isolado, viemos dar apoio, mas não deixaram chegarmos perto do campo”, disse Camila Marrone, que vive desde 2008 na Argentina. A estratégia para conseguir entrar no Sofitel, hotel que fica na beira da estrada que liga Buenos Aires a Rosario, foi almoçar no caro restaurante.

“Brasileiro sempre dá um jeitinho. Almoçamos no restaurante, mas não conseguimos passar dessa guarita”, disse Marrone. Elas puderam ver de longe o treino, aproximadamente 200 metros de distância, sem conseguir identificar direito os jogadores.

Os torcedores só conseguiram vê-los mais de perto quando a van que leva os atletas do campo aos quartos (que é bem distante) passou em frente a elas. Os atletas acenaram, mas não pararam para dar autógrafos. Ao lado do campo de treino há um condomínio de luxo, que faz parte do empreendimento que administra o hotel, mas durante a estadia do Brasil no local eles não poderão ter acesso ao campo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.