Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Com instabilidade na camisa 1, Inter vê revelação brilhar em Santa Catarina

Goleiro Agenor destaca-se pelo Criciúma na Série C do Brasileiro e desponta como candidato a titular da equipe gaúcha em 2011

Altair Santos, especial para o iG |

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=esporte%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237860314197&_c_=MiGComponente_C

O Internacional vai para o Mundial de Clubes de Abu Dhabi com um dilema na bagagem: quem será o camisa 1 do time? Renan, que foi titular na Libertadores, perdeu a confiança do técnico Celso Roth no Campeonato Brasileiro, e atualmente o treinador submete a equipe a um rodízio de goleiros para ver quem poderá ser o titular no torneio, que é o mais importante do ano para o clube. Além de Renan, disputam a vaga o argentino Pato Abbodanzieri e Lauro.

Pela experiência, Abbodanzieri tem chance de chegar a Abu Dhabi como titular. Só que o argentino já anunciou que, aos 38 anos, pendura as luvas após o Mundial. Significa que, para a temporada do ano que vem, o Internacional seguirá em busca de um camisa 1 definitivo.

Segundo o diretor-executivo de futebol Nilton Drumond, o clube não buscará um nome consagrado e avalia que o goleiro titular para 2011 deverá sair do quarteto revelado no Beira-Rio: Renan, Lauro, Muriel e Agenor. O Internacional não tem nenhum motivo para ir ao mercado buscar alguém para esta posição, diz.

A 300 quilômetros de Porto Alegre, mais precisamente em Criciúma, Santa Catarina, a aposta é que o futuro camisa 1 do Internacional será Agenor. Aos 20 anos ¿ fará 21 em dezembro ¿, o jogador foi emprestado para disputar a Série C do Brasileiro pelo clube catarinense e saiu da disputa eleito o melhor da posição.

Na minha opinião, com 25 anos ele será goleiro da seleção brasileira, elogia o gerente de futebol do Criciúma, Homero Santarelli, que tentará segurá-lo para a temporada 2011, mesmo sabendo que o clube gaúcho não pretende reemprestá-lo. O lugar dele no ano que vem é aqui no Beira-Rio, afirma Drumond.

Pelo Criciúma, Agenor sofreu 9 gols na Série C. Na primeira fase, foi o menos vazado, com quatro gols sofridos. Quem o levou para o clube catarinense foi o ex-zagueiro Argel Fucks, atual técnico do Criciúma. Contemporâneo de Taffarel no Internacional, o treinador compara Agenor a um dos principais goleiros que já atuaram no Beira-Rio. Ele não é espalhafatoso. Está sempre bem colocado, resume.

Apesar de saber do potencial de Agenor, o Internacional pede cautela. Lançar um goleiro é diferente de lançar um meio-campista ou um atacante, por exemplo. Para o goleiro jovem, uma falha é definitiva, diz Nilton Drumond, garantindo que a recente instabilidade na posição vivida pelo Internacional é passageira. De goleiro nós estamos muito bem servidos, diz o dirigente. O desempenho de Agenor na Série C prova isso.

Leia tudo sobre: internacionalmatérias especiais

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG