Tamanho do texto

Em entrevista exclusiva ao iG, goleiro titular da seleção falou sobre jovens do time de Mano e pressão para ganhar a Copa América

Neymar se prepara para bater o pênalti e ouve: “Aqui não tem paradinha, não. Aqui é sério”. Neymar treina finalizações e o goleiro defende. “Aqui não é que nem aqueles goleirinhos que você está acostumado”. Neymar cabeceia e a bola vai para fora do gol. “Também, com esse cabelo”.

Vítima das provocações de Julio Cesar , 31 anos, o atacante de 19 sorri. Entende que são brincadeiras de um colega mais velho. O sorriso poderia ser por outro motivo. Neymar sabe que o goleiro, ao voltar para casa após a Copa América , poderá ver o seu filho Cauê, de 9 anos, com o já famoso penteado moicano do santista.

Neymar e Julio Cesar: provocações e brincadeiras durante treino da seleção brasileira na Argentina
AP
Neymar e Julio Cesar: provocações e brincadeiras durante treino da seleção brasileira na Argentina
“Meu filho é louco pelo Neymar. Quer o cabelo, a chuteira igual a dele”, revelou ao iG o goleiro da seleção brasileira . “Acho o corte de cabelo feio, mas o que eu posso fazer? Se ele quiser, tenho que deixar”, diz.

Em campo, Julio Cesar vê o santista pronto para jogar na Europa. Apesar das brincadeiras, ele evita o rótulo de moleque para o jogador sensação do futebol brasileiro. “Nada, ele e os outros jovens que chegaram são cascudos, apesar da pouca idade que têm”. Julio Cesar fala de Copa América, Mano Menezes e Neymar:

iG: Qual a importância da Copa América para o trabalho do Mano Menezes?
Julio Cesar:
Eu vi uma entrevista do Mano em que ele foi muito feliz quando disse que o Brasil ganhou a Copa América, a Copa das Confederações e não o Mundial. Então, não é algo que vai influenciar para 2014. Pode acontecer da gente não ganhar a Copa América, deus me livre e guarde, porque quero muito vencer. Mas se não ganharmos, não quer dizer que não vamos vencer a Copa no Brasil.

Agora, é um fator determinante para criar identidade neste novo grupo, para adquirir confiança, mas não garante nem exclui a Copa.

iG: Como você esta vendo a nova geração que chegou na seleção brasileira?
Julio Cesar:
Eles são jovens, mas não são moleques, não. É tudo cara cascudo, apesar da pouca idade. Não tem hierarquia por eu ser mais velho. Todo mundo é igual e tem que se afirmar. É por isso que a gente se da tão bem..

iG: E é difícil treinar com eles? O goleiro sofre muito com o Neymar?
Julio Cesar:
Como eu estou no time titular e eles também, só enfrento nos trabalhos de finalização. Mas eu gosto de jogar contra ataque bom. A bola chega bastante..

iG: Você já acha que o Neymar teria sucesso na Europa?
Julio Cesar:
Acho que ele esta pronto, sim. Não teria nenhum tipo de dificuldade. Teria que enfrentar adaptação e tal, mas pelo que vi dele, se for vai tirar de letra. Agora a melhor pessoa para responder se é o momento de ir é ele mesmo.

iG: Você disse uma vez que seu filho era fã do Ronaldinho. Ele já conhece o Neymar?
Julio Cesar:
Meu filho é louco pelo Neymar. Quer a chuteira do Neymar, o cabelo do Neymar, tudo. O Cauê (9 anos) é engraçado. Tem ídolos temporários. Já foi o Adriano, o Robinho e o Ronaldinho. Quando era o Ronaldinho, ele foi jogar no Milan e o Cauê falava que eu estava ralado, que eu ia tomar gol na Inter nos clássicos. Agora ele pirou no Neymar. Disse até que vai fazer esse cabelo dele..

null iG: Você vai deixar?
Julio Cesar:
Pô, o cabelo é ruim, ein? O cabelo do Neymar é duro, feio. O Cauê, meu filho, tem cabelo liso. Mas se ele quiser, vou fazer o que? Tem que deixar...(risos). Eu deixo o que ele quiser. Ele quer jogar bola todo o dia, mas de atacante. Deixa só um sofrer na família.

iG: E com o Ronadinho e o Adriano você tem falado?
Julio Cesar:
Falei com o Ronaldinho outro dia. Mas nada de futebol. Falamos sobre o Rio de Janeiro, se ele estava gostando. Futebol nem comentamos. Com o Adriano faz tempo que não falo. Ele some, é em cara difícil. Não me lembro nem a última vez que falei com ele. Fiquei triste com a lesão que teve no Corinthians. Era um oportunidade boa que ele estava tendo. Acabou sofrendo uma lesão que não é simples. Mas estou na torcida por ele porque é um amigo que tenho.