Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Com Boca em crise, Riquelme não se opõe a ver desafeto Maradona como técnico

Ex-jogador comandou seleção argentina durante a Copa do Mundo e foi afastado após a eliminação

iG São Paulo |

undefined

 

Afastado dos campos até 2011, o argentino Riquelme amarga o mau momento do Boca Juniors. Além do desfalque do camisa 10, a equipe ainda não definiu seu novo técnico após a saída de Claudio Borghi na derrota por 1 a 0 diante do maior rival do time, o River Plate, na semana passada. Um dos nomes cotados para a vaga de treinador é Maradona, maior ídolo do país, mas desafeto do atacante. Porém, se for para ajudar o Boca no Campeonato Argentino, Riquelme até aceita a contratação do ex-craque.

Divulgação
Ídolo do Boca Juniors, Maradona é um dos nomes cotados para treinar o clube

"Sou uma pessoa de 32 anos de idade e já consigo entender uma situação, sem ser cegado pela paixão ao time", disse Riquelme. "O presidente do clube é quem decidirá o novo treinador. Se for Maradona, assim será e ele cumprirá seu trabalho como técnico e eu o meu como jogador. Estamos no mesmo barco e a minha esperança é de que as coisas fluam bem", completou o argentino.

Maradona comandou a seleção da Argentina durante a Copa do Mundo na África do Sul e foi afastado após a derrota por 4 a 0 diante da Alemanha, nas quartas de final da competição.

Apesar do nome de Maradona ser cogitado e suas chances serem grandes, Julio Cesar, atual técnico do Banfield, é o favorito da diretoria do Boca para a sucessão de Borghi.

*Com Gazeta Esportiva

 

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG