Tamanho do texto

Ao iG, entidade fala que pediu evidências à BBC sobre possível corrupção de seus membros antes do Natal do ano passado

O COI (Comitê Olímpico Internacional) disse ao iG por e-mail nesta quarta-feira que seu Comitê de Ética analisa as denúncias contra João Havelange, ex-presidente da Fifa e membro do próprio COI, desde o fim do ano passado. Na terça-feira, o jornal O Estado de S. Paulo anunciou que Havelange estava sendo investigado por propinas que teria recebido da ISL, empresa de marketing esportivo falida em 2001.

Segundo o COI, antes do último Natal foram pedidas à rede de TV britânica BBC quaisquer evidências de corrupção relacionadas não apenas a Havelange, mas a todos seus membros, antes do último Natal. A entidade afirma que ainda não obteve resposta.

A BBC acusa Havelange de ter recebido propina de R$ 470 mil da hoje falida ISL, parceira da Fifa até o início da década passada. De acordo com a emissora, ele e Ricardo Teixeira, presidente da CBF (Confederação Brasileira de Futebol), pagaram R$ 8,9 milhões à Justiça suíça para o caso não ser investigado.

Havelange não fala sobre o assunto e Teixeira nega as acusações. Em entrevista coletiva concedida há duas semanas, o presidente da Fifa Joseph Blatter disse não haver provas contra Teixeira.