mídia maligna - Futebol - iG" /
Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Chefe de candidatura inglesa diz que país perdeu eleição por rixa entre Blatter e mídia maligna

Andy Anson afirma que presidente da Fifa fez discurso sobre denúncias da ¿BBC¿ sobre corrupção na entidade, o que teria mudado alguns votos no último minuto

Francisco De Laurentiis, iG São Paulo |

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=esporte%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237854515569&_c_=MiGComponente_C

No dia seguinte à eleição de Rússia e Catar como sedes das Copas de 2018 e 2022, a dor de cabeça dos ingleses ainda não passou. Irritado com o desempenho britânico (a Inglaterra foi eliminada na primeira rodada de votações, com apenas dois votos), o chefe da candidatura inglesa disse que o presidente da Fifa (Federação Internacional de Futebol e Associados), Joseph Blatter, teria feito um discurso aos membros do Comitê Executivo da entidade sobre a mídia malígna da Inglaterra.

O dirigente suíço usou como referência as denúncias feitas pela rede de televisão BBC sobre esquemas de corrupção envolvendo membros de alto escalão da Fifa e de algumas Federações de futebol (incluíndo o presidente da Confederação Brasileira de Futebol, Ricardo Teixeira). Ainda acho difícil entender o que aconteceu. Não vou me esconder: alguns membros do Comitê pometeram votar pela gente (Inglaterra) e não cumpriram. Nos disseram que a mídia nos matou, reclamou Andy Anson.

Getty Images
Andy Anson (dir.) aguarda o anúncio das sedes de 2018 e 2022. Nem Beckham ajudou

Segundo Anson, essa seria a explicação de por que a Inglaterra perdeu a chance de sediar o Mundial em 2018, somada à pressão feita pelos russos na quarta-feira cedo: A Rússia fez muito lobby na última hora, e os votos mudaram no último minuto. Sabemos de membros que mudaram suas escolhas nas primeiras horas da manhã, afirmou.

Por fim, o chefe da candidatura britânica lamentou muito a derrota inglesa em Zurique, sede da Fifa, e pediu mudanças no padrão de escolhas da entidade: Quando você tem a candidatura que apresenta os melhores aspectos técnicos, ótimos resultados nas inspeções, a melhor avaliação econômica, e, como nos disseram muitos, as melhores apresentações, é difícil ter estômago quando se percebe que tudo isso serviu para absolutamente nada, afirmou Anson.

Se nos pedissem para candidatar-nos outra vez, eu diria: Não enquanto o processo não der chance de vitória a uma candidatura como a nossa, completou.

Ministro do Esporte reclama de Comitê Executivo
Em entrevista à rádio Talksport, o ministro do Esporte da Inglaterra, Hugh Robertson, afirmou que apenas três membros do Comitê Executivo da Fifa chegaram a ler o relatório técnico da candidatura inglesa para a Copa 2018.

Um dos rumores em Zurique ontem (quarta-feira) era que, dos 22 membros do Comitê Executivo, apenas três deles pediram para ler os relatórios técnicos da nossa candidatura. Se há 22 membros e eles não estão a fim de ler os relatórios técnicos, isso provavelmente mostra que a decisão (da escolha das sedes) não é baseada no futebol, afirmou o político.

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG