Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Loco Abreu e Suárez aparecem em mensagem de fim de ano do Nacional-URU

Ao lado de outros jogadores e ex-atletas do clube, eles cantam em uma homenagem a "melhor torcida do mundo", como diz o vídeo

EFE |

Getty Images
Adalberto Román (à direita) deve ser um desse "camarões" anunciados por César Sampaio
Antes mesmo do fim do Campeonato Brasileiro, Luiz Felipe Scolari usou comida como metáfora para cobrar reforços, dizendo que não aceitaria em 2012 novamente só arroz, feijão e pão. Até agora, o único reforço confirmado é Juninho, lateral esquerdo do Figueirense, mas o gerente de futebol César Sampaio garante que, até 31 de dezembro, chegarão ao menos quatro dos nomes de peso pedidos pelo técnico.

Veja toda a movimentação do mercado da bola

"Temos quatro negociações em andamento. E são camarões, jogadores empregados e bem remunerados", disse o ex-volante à rádio Bandeirantes. "O Felipão tem me cobrado bastante os camarões e lagostas que pediu. Esperamos que, se o Papai Noel não trouxer, existam soluções antes da virada do ano. A perspectiva é boa", completou.

Um desses "camarões" pode ser o zagueiro paraguaio Adalberto Román, rebaixado com o River Plate e pouco conhecido no Brasil. Os outros atletas próximos de serem contratados continuam mantidos em sigilo pelos dirigentes, mas Sampaio avisa que são jogadores para o setor ofensivo, uma das principais carências da equipe em 2011.

"Nosso time já é bem equilibrado, não dá para trazer só mais um. Procuramos jogadores que venham não só atender às nossas necessidades, mas que sejam diferenciais. Por serem a maioria do meio para a frente, com a qualidade que precisamos para colocar a bola para dentro, é mais demorado", argumentou.

O ex-volante e ídolo por sua passagem dentro de campo, com dois títulos paulistas, dois Brasileiros e a conquista como capitão da Libertadores de 1999, conta que compreende a preocupação da torcida pelo anúncio de mais reforços. Mas informa que não cederá à pressão para efetuar contratações por preços altos e injustos.

"Também estamos bastante ansiosos, mas temos bastante equilíbrio para não nos envolvemos nesta loucura em que está o mercado em relação a preço. O Palmeiras tem caixa para contratar e parceiros que podem ajudar, mas alguns empresários estão bravos comigo. Só que o jogador vale o quanto pesa e minha função é preservar a instituição", contou César Sampaio.

 

Leia tudo sobre: cesar sampaiofelipãopalmeirasmercado da bola

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG