Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

CBF e ex-árbitro condenados em R$ 6,8 mi por má-fé em processo

Juiz do caso "Máfia do Apito" aponta que entidade atrapalhou "comportamento processual" e ainda desdenhou o futebol

Marcel Rizzo e Paulo Passos, iG São Paulo |

Gazeta Press
Paulo José Danelon (esquerda) em ação em partida do Palmeiras contra o Mogi Mirim, em 2003
A CBF (Confederação Brasileira de Futebol) e o ex-árbitro Paulo José Danelon foram condenados pela 17ª Vara Cível de São Paulo ao pagamento de R$ 6,8 milhões por má-fé durante o andamento do processo da “Máfia do Apito”, como ficou conhecido o caso de manipulação de resultados no futebol brasileiro e sul-americano que aconteceu em 2005. O valor se junta aos R$ 160 milhões que CBF, o ex-árbitro Edilson Pereira de Carvalho e o empresário Nagib Fayad foram condenados e aos R$ 20 milhões que Federação Paulista de Futebol (FPF), Carvalho, Danelon e Fayad terão que pagar. Essas condenações foram reveladas pelo iG na sexta-feira (25 de fevereiro) e cabe recurso para todos os envolvidos.

O iG analisou a sentença do juiz José Paulo Camargo Magano, publicada nesta segunda-feira (28 de fevereiro). Nela, Magano escreveu que CBF, Danelon e Fayad agiram na “litigância de má-fé” durante o comportamento processual. “A CBF juntou documentos impertinentes, com o escopo de ofender o MPE (Ministério Público Estadual). (...) Ofendeu, com efeito, o princípio republicano que caracteriza o processo (...), tumultuando e retardando a atividade jurisdicional”, escreveu o juiz. Contra Danelon disse que o ex-árbitro quis alterar a verdade dos fatos ao afirmar que não aceitou suborno de Fayad (para alterar resultado de partidas).

O juiz decidiu condená-los a pagar 20% sobre o valor da causa, que havia sido calculado pelo Ministério Público Estadual em R$ 34 milhões, o que gerou valor de R$ 6,8 milhões, No documento Magano não explica porque citou Fayad inicialmente, mas no final o deixou de fora da condenação por má-fé. Procurada pelo iG,a CBF informou que o advogado Carlos Eugênio Lopes só irá se pronunciar quando a entidade for notificada. Segundo o diretor de comunicação, Rodrigo Paiva, “a CBF não pretende bater boca com a Justiça e, sim, vai recorrer à decisão.” A advogada Ilda Helena Duarte Rodrigues, de Danelon, não foi encontrada.

Defesa da CBF

Ae
CBF, comandada por Ricardo Teixeira, vai recorrer da decisão depois que for notificada
Chama atenção na sentença a defesa da CBF, que desdenha do futebol e até de parte da população que acompanha o esporte. Segundo escreve o juiz, “em parte da contestação, a CBF afirma que medidas como a presente ação, que querem emprestar ao futebol uma dimensão que um esporte não tem poder de ter, contribuem para a desinformação do povo, já de si mal aparelhado intelectualmente, sabendo-se que, segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), no Brasil cerca de 70% da população é formada por analfabetos funcionais, ou seja, pessoas incapazes de entender o que lêem”.

Magano então compara o futebol brasileiro com o Super Bowl, a final do futebol americano, e com a Liga dos Campeões da Europa, para mostrar que estádios cheios não têm relação com o índice de analfabetismo no país. “A importância do futebol no país supera a seara econômica, caracteriza verdadeiro patrimônio cultural peculiar da sociedade brasileira, capaz de despertar reações e sentimentos dos mais variados”, escreveu.

Em sua defesa, a FPF também desdenhou da importância que o esporte poderia ter e de que consumidores (torcedores) possam ter sido prejudicados pelas manipulações do resultado. “Resultado de banal incidente ligado a jogos de futebol, mera atividade de lazer e entretenimento”. O juiz entendeu que o valor pedido pelo MP era pequeno (R$ 34 milhões) porque houve dano moral para a toda sociedade brasileira, que acompanha o futebol. Por isso aumentou em 429% o valor da indenização, que somado chegou a R$ 180 milhões (sem contar a condenação por má-fé).

Pagamento
O procedimento aponta que em casos como esse, uma ação coletiva na qual não há um beneficiário específico, o dinheiro da sentença é enviado ao Fundo Especial de Despesa de Reparação de Interesses Difusos Lesados, sob responsabilidade do estado de São Paulo. O Fundo recebe indenizações provenientes de processos que envolvem danos morais e patrimoniais causados ao meio-ambiente, ao consumidor, a bens e direitos de valor artístico, estético, histórico, turístico e paisagístico. O caso da “Máfia do Apito” se encaixa no direito do consumidor. Se o réu não tem dinheiro para pagar, bens são penhorados. Caso Carvalho, por exemplo, prove que não tem como arcar, os outros réus terão que desembolsar todo o valor.
 

Leia tudo sobre: CorinthiansMáfia do ApitoCBFselecao brasileira

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG