Arnaldo Tirone admite pré-contrato, mas quer aguardar chegada do atleta para comemorar reforço

O presidente Arnaldo Tirone confirma que tem um pré-contrato assinado com Alejandro Martinuccio, meia-atacante do Peñarol, mas prefere não fazer o anúncio enquanto o jogador não vestir a camisa do Palmeiras . O detalhe é que o clube uruguaio ainda promete brigar pelo direito de compra dos 20% pertenciam a um empresário e que foi negociado por cerca R$ 800 mil com o time brasileiro.

Temendo uma reviravolta, o presidente adota o tom de cautela. O jogador já afirmou aos dirigentes palmeirenses que pretende, sim, atuar no futebol brasileiro e pode usar cláusulas da Fifa para garantir sua liberdade após o dia 2 de agosto. Para tentar garantir que não será passado para trás, o Palmeiras também assinou uma multa não revelada pelos dirigentes, mas que gira em torno de R$ 50 milhões.

Siga o Twitter do iG Palmeiras e receba as notícias do seu time em tempo real

“Existe um contrato com o jogador há um tempo, mas ele precisa cumprir o restante do tempo de acordo com o Peñarol, vamos aguardar”, explicou Tirone.

Martinuccio foi o grande destaque do vice-campeão da Libertadores, o Peñarol
AFP
Martinuccio foi o grande destaque do vice-campeão da Libertadores, o Peñarol


Dirigentes uruguaios ainda querem usar o direito para tentar lucrarem com a venda. Do jeito que está feita a negociação, o jogador sairá a custo zero para o Peñarol. O Fluminense já fez proposta oficial pelos 80% do atleta que pertencem ao time uruguaio, mas a proposta não pode ser viabilizada caso o atleta se recuse a assinar.

Coloque seu time em 1º no ranking da Torcida Virtual do iG Esporte

Neste momento, inclusive, a mídia uruguaia relata que Martinuccio está desaparecido. Desde a final da Libertadores, quando ele foi liberado para visitar a Argentina, o atleta não conversou mais com dirigentes do time que ele mantém contrato até o dia 2 de agosto.

Apesar da data para a inscrição de jogadores ter o limite do dia 20 de julho, o Palmeiras espera não ter problemas na chegada do atleta, já que ele estaria livre e isso não caracterizaria uma negociação internacional, caso bem diferente de Henrique. Com direitos presos ao Barcelona, o jogador precisaria entrar em acordo rapidamente.

“O caso do Henrique é complexo. Não temos novidades, mas estamos tentando equalizar uma situação”, finalizou o presidente palmeirense.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.