Tamanho do texto

Oscar foi revelado pelo São Paulo, mas foi para o Inter em 2010, após entrar na Justiça contra seu ex-time

A vitória do São Paulo na Justiça no caso do meia Oscar animou o diretor de futebol do clube, Adalberto Baptista. De acordo com o dirigente, o Tricolor aguarda a publicação da sentença para ver o jovem "voltar à sua casa".

"O São Paulo quer o jogador, exercer o direito contratual e que a justiça reconheceu. Quando for publicada a sentença, ele voltará à casa. O recurso não vai ter o condão de impedir de se apresentar imediatamente", explicou o dirigente.

Leia também: Oscar deixa briga judicial, faz gol e Inter ganha na Libertadores

"O que o departamento jurídico do São Paulo não quer é receber a quantia devida. Se Inter e Oscar quiserem brigar, vão depositar em juízo, e aí a decisão vai para a Fifa", completou Adalberto.

Peça importante no Internacional, Oscar foi revelado pelo São Paulo, mas chegou ao clube gaúcho em 2010, após entrar na Justiça contra seu ex-time, sob a alegação de atraso nos vencimentos e que teria sido, também, coagido a se emancipar e assinar um contrato aos 16 anos, quando ainda era menor de idade.

Oscar abriu o placar na vitória do Inter sobre o Juan Aurich
Gazeta Press
Oscar abriu o placar na vitória do Inter sobre o Juan Aurich

A decisão, porém, não era definitiva e deu oportunidade para que o São Paulo tentasse buscar o jogador. Em setembro de 2010, o Tricolor já havia entrado com uma liminar, mas não teve sucesso. Apesar disso, o clube não desistiu e, na última quarta-feira, o clube conseguiu vitória no recurso, por unanimidade.

O Tribunal Regional do Trabalho de São Paulo, porém, irá notificar o jogador apenas no dia 17 de fevereiro. Por isso, mesmo com a derrota na Justiça, o Colorado escalou o meia na estreia na fase de grupos da Copa Libertadores, quinta-feira, na vitória diante do Juan Aurich-PER, e neste domingo, contra o Caxias, no Gauchão.

Apesar da decisão, o desejo de Oscar é seguir no clube colorado. Ao marcar um dos gols na vitória contra os peruanos, o jogador comemorou fazendo sinais de que gostaria de continuar no Beira-Rio. Para Adalberto, o jovem meio-campista foi aliciado quando decidiu entrar em litígio com o Tricolor.

"A gente sabe que o clima não partiu dele, o jogador foi iludido por pessoas que querem ganhos fáceis. Ele foi aliciado, iludido, o jogador tinha 17 ou 18 anos. Temos certeza que com uma boa conversa volta ao normal", previu.