Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

"Carrascos" de 98 viraram ator, rapper e até lutador

Veja o que fazem hoje os franceses que participaram da vitória por 3 a 0 sobre o Brasil na final da Copa do Mundo

Paulo Passos, enviado iG a Paris |

Quase 13 anos depois, a grande maioria dos jogadores que venceram o Brasil na final da Copa de 1998 já não joga mais futebol. O volante Vieira é o único daquele time que derrubou a seleção no Stade de France, no dia 12 de julho, que permanece em atividade.

Ainda que muitos tenham seguido os caminhos mais comuns para ex-jogadores, como as carreiras de técnico e comentarista, alguns preferiram se distanciar bastante do esporte. É o caso, por exemplo de Leboeuf, titular naquela final e que hoje trabalha como ator de teatro em Paris. Caminho semelhante ao de Djorkaeff, que hoje vive em Nova York e tenta a carreira de rapper.

Getty Images
Jogadores franceses comemoram o título mundial de 1998 após a vitória por 3 a 0 sobre o Brasil
Veja o que fazem os “carrascos” do Brasil de 98:

Fabien Barthez
Titular da seleção francesa até o Mundial da Alemanha, Barthez se aposentou um ano depois. Em 2008, criou uma academia para formação de goleiros no interior da França. Em janeiro deste ano, recebeu um convite do Eric Cantona para trabalhar no New York Cosmos.

Bixente Lizarazu
Após deixar os gramados em 2006, o ex-lateral passou a se dedicar ao Jiu-Jitsu. E com quimono, Lizarazu se sagrou campeão europeu, 11 anos depois de ajudar a derrubar o Brasil em Saint Denis. Após a vitória nos tatames, em 2009, o ex-jogador, inclusive, homenageou um brasileiro. "Tenho pleno respeito aos campeões, em especial Hélio Gracie, o fundador do jiu-jítsu brasileiro, que faleceu há poucos dias", disse, na época o francês.

Divulgação
Frank Leboeuf se tornou ator e fez sucesso em seu país com a peça "L'Intrus"
Djorkaeff
Um dos jogadores mais experientes daquele time, se aposentou em 2006, aos 38 anos. Seu último clube foi o New York Red Bulls, dos Estados Unidos. Após a aposentadoria, ele seguiu morando na cidade americana, onde até se arriscou na carreira de rapper. Sua música mais conhecida se chama “Vivre dans ta Lumière” (veja video).

Didier Deschamps
Capitão da equipe campeã mundial, o zagueiro se aposentou de forma precoce aos 32 anos, em 2001. Desde então é técnico. Na última temporada, foi campeão francês com o Olympique de Marseille.

Desailly
Nascido em Gana, o ex-zagueiro sempre defendeu a seleção francesa. Na final de 1998, foi expulso aos 22 minutos do segundo tempo, quando a França já vencia por 2 a 0. Jogou futebol até 2006 e, desde então, se dedica a projetos sociais em prol dos países africanos.

Stéphane Guivarc'h
Titular na final, o atacante teve uma passagem curta pela seleção francesa. Foram 14 jogos e apenas um gol. Hoje é técnico de futebol.

Patrick Vieira
O volante, que atuou nos últimos 15 minutos da partida, é o único que ainda joga futebol. Aos 34 anos, ele está no Manchester City desde 2010. Antes, Vieira defendeu Arsenal, Juventus, Internazionale e Milan, entre outros clubes europeus.

Zinedine Zidane
Maior estrela do time, fez dois gols na final contra o Brasil. Em 2006, foi novamente o carrasco da seleção, com uma atuação espetacular na partida pelas quartas de final da Copa da Alemanha. Atualmente, trabalha como garoto propaganda de empresas e da Copa do Mundo do Catar, em 2022.

Lilian Thuram
Jogador mais politizado daquela equipe, o ex-lateral se dedica a causas sociais desde que se aposentou em 2008. Em 2010, lançou o livro “Mes étoiles noires”, com suas histórias de luta contra o racismo.

null Emmanuel Petit
Autor do terceiro gol da vitória francesa, Petit hoje é parceiro da CBF (Confederação Brasileira de Futebol). O ex-jogador é sócio da Kentaro, empresa que negocia os amistosos da seleção brasileira.

Frank Leboeuf
Fora dos gramados desde 2005, ele trabalha atualmente como ator e comentarista de TV. Em 2010, fez sucesso no teatro de Paris, com a peça “L'intrus”.

Karembeu
Se aposentou em 2005, aos 35 anos. O defensor foi titular na final contra o Brasil. Durante três temporadas, ele foi companheiro de Real Madrid do brasileiro Roberto Carlos. Em 2000, disputou o Mundial Interclubes, onde acabou levando uma “caneta” do atacante Edílson, ex-Corinthians. Atualmente, trabalha como comentarista esportivo.

Boghossian
O ex-meia, que entrou no segundo tempo da final, deixou de jogar futebol profissionalmente em 2003. Nesta quarta-feira, ele estará no Stade de France, como auxiliar técnico de atual treinador, Laurent Blanc, que também era jogador da seleção em 98, mas não atuou contra o Brasil.

Christophe Dugarry
Aposentado há seis anos, o ex-atacante hoje trabalha como comentarista de televisão. Ele está na rede Canal Plus, uma das mais importantes da França.
 

Leia tudo sobre: seleção brasileiraFrançaZidaneVieiraLizarazuLeboeu

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG