Zagueiro marcou na final de 2009, mas agora mudou de lado e conta com ótimo retrospecto nos clássicos

O zagueiro Leonardo Silva , do Atlético-MG , vai ser o principal alvo da torcida do Cruzeiro neste domingo. Titular e capitão da equipe celeste até o ano passado, ele trocou o clube pelo maior rival. Na estreia pelo time alvinegro ele já sentiu a pressão do torcedor cruzeirense, mas deixou o estádio mais feliz, já que o Atlético-MG venceu por 4 a 3 o jogo da primeira fase do estadual.

Agora o encontro com o Cruzeiro vale título. Campeão mineiro com o clube celeste em 2009, sobre o Atlético-MG, agora ele quer fazer o inverso. Ser campeão com o lado alvinegro contra o maior rival. No ano que conquistou o estadual de Minas Gerais, Leonardo Silva ainda foi protagonista na final, ao fazer dois gols no clássico.

“Isso é bom, sempre bom conquistar títulos, marcar com títulos. Procurei fazer por onde passei, quero conquistar este título e mais títulos pelo Atlético. Quero trazer mais canecos para a Cidade do Galo, quero ser campeão e marcar meu nome na história do clube”, disse o zagueiro, que descarta o rótulo de vilão atleticano, depois de ter feito três gols em clássicos quando era jogador do Cruzeiro.

“Estava defendendo minha situação. Não vamos ver como vilão, era uma situação de trabalho. Aqui, vou procurar fazer meu trabalho sem nenhum tipo de cobrança ou revanche. Aquele jogador que trabalhar, com certeza vai fazer melhor dentro de campo e se destacar. O grupo aqui tem se destacado bem e isso que é o mais importante”.

No que depender do retrospecto de Leonardo Silva no clássico mais importante do futebol mineiro, a torcida do Atlético-MG pode comemorar. São seis clássicos desde que chegou ao estado, sendo quatro pelo Cruzeiro e dois pelo lado atleticano. O jogador só sabe o que é vencer um clássico. Foram três vitórias em 2009 e uma no ano passado na equipe celeste. Já no Atlético-MG ele esteve em campo nos dois triunfos desta temporada.

“Conseguimos duas vitórias este ano e vamos em busca da terceira. Jogador que não gostar de clássico tem que parar de jogar. Adoro jogar, me sinto à vontade. É um jogo que mexe com a cidade e atrai olhares de todos. A gente tem mais destaque.”

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.