Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

C13 joga a toalha e descarta entrar na Justiça contra dissidentes

Em entrevista ao iG, Fábio Koff diz que não entrará em litígio com clubes e espera posição do Cade

Paulo Passos, iG São Paulo |

Após representantes dos dissidentes do Clube dos 13 falarem em uma saída pacífica para o impasse na entidade, Fábio Koff também mudou o tom. O presidente do C13 descarta entrar na Justiça contra as equipes que ignoraram a licitação da entidade e assinaram acordo com a Globo para a exibição dos Campeonatos Brasileiros de 2012 a 2015.

Gazeta Press
Fábio Koff, presidente do C13, mostra papel timbrado da Rede TV, vencedora da licitação
“Eu fiz tudo baseado no que o Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) determinou. Se o Cade disser sim para o acordo dos clubes com a Globo, tudo bem. Se disserem que a gente interpretou errado, tudo bem”, afirmou Koff, em entrevista ao iG. “Eu sou um executivo de uma entidade para defender os clubes. Se eles acham que o melhor é o que fizeram não tenho o que fazer”, completou.

O Cade já informou que não irá se impedir os acordos da Globo com os clubes. O órgão do Ministério da Justiça, entretanto, intimou a empresa a enviar os acordos assinados com as equipes para analisá-los. Até agora, 15 clubes já fecharam com a emissora.

O Clube dos 13 esperava que o Cade impedisse os acordos da Globo com as equipes. A entidade entendia que os acertos não cumpriam o TCC (Termo de Compromisso e Cessação), assinado, em outubro de 2010, pela emissora e pelo próprio C13. A última esperança dos dirigentes a entidade é que o órgão do Ministério da Justiça questione o acordo da Globo com os clubes a partir da análise dos contratos já assinados.

Fábio Koff diz que estará em Brasília na próxima quarta-feira, dia 27 de abril. Ele foi chamado para uma Comissão no Senado que discute o impasse na venda dos direitos de transmissão do Brasileiro. Representantes da Globo, Rede TV! e CBF (Confederação Brasileira de Futebol) também foram convocados.

Está previsto também para o dia 27, a entrega dos contratos da Globo com os clubes. Cartolas dissidentes do C13 estiveram reunidos com o principal dirigente da emissora, Marcelo Campos Pinto, na última terça-feira, no Rio de Janeiro.

“Sem ressentimentos”
Fábio Koff diz não guardar ressentimento dos dirigentes dos 14 clubes que ignoraram a concorrência do Clube dos 13. Nem mesmo com o presidente do Corinthians, Andrés Sanchez, que foi o primeiro a pedir para deixar a entidade e questionou até o salário recebido por Koff.

“As críticas dele foram de alguém mal informado, em relação aos custos do Clube dos 13. Não tenho nada contra ele. Ele sempre foi direto nas suas posições”, afirmou.
 
Entenda o caso:
Em outubro de 2010, a Rede Globo e o Clube dos 13 assinaram um TCC (Termo de Compromisso e Cessação), em que se comprometiam a cumprir algumas determinações impostas pelo Cade. O órgão do Ministério da Justiça obrigou a emissora a abrir mão do direito de preferência que tinha até então, quando podia cobrir uma oferta de uma concorrente e levar o Brasileiro. Já o C13 se comprometeu a realizar uma concorrência aberta a todas as empresas, com propostas sendo feitas através de envelopes fechados e separação das mídias (TV aberta, TV fechada, pay-per-view, internet e telefone celular).

Um dia antes do Clube dos 13 divulgar as regras da concorrência para venda dos direitos de transmissão do Brasileiro, de 2012 a 2014, o Corinthians anunciou que deixaria a entidade. O presidente do clube paulista, Andrés Sanchez, disse que iria negociar em separado com as empresas interessadas em exibir os jogos do time.

Divulgação
Marcelo Campos Pinto, da Globo, e presidente do Grêmio, Paulo Odone, na assinatura do contrato
A medida provocou um racha na entidade, já que outros clubes seguiram a decisão do clube paulista. Atual detentora dos direitos de transmissão do Brasileiro, a Rede Globo enfraqueceu ainda mais o Clube dos 13 ao anunciar que não participaria da concorrência organizada pela entidade.

Apesar de já não contar com o apoio de mais da metade dos filiados, o C13 realizou a licitação, que teve como único concorrente a Rede TV!. A emissora ofereceu R$ 516 milhões por ano para transmitir os jogos do Brasileiro na TV aberta e venceu a concorrência.

Mesmo com o anuncio do resultado da licitação e da assinatura do contrato com a emissora, mais clubes passaram a negociar com a Rede Globo. O Grêmio foi o primeiro a firmar acordo com a emissora, ignorando o C13. Outros clubes seguiram o mesmo caminho e 14 filiados do C13 já anunciaram acordo com a empresa. Os valores dos contratos não foram divulgados.

O Clube dos 13 tentou pressionar o Cade para impedir os acordos individuais assinados pelas equipes com a Globo. O órgão, entretanto, respondeu a petição da entidade informando que não poderia intervir nas negociações, mas solicitou à empresa que enviasse os contratos para análise.

Vale lembrar que a disputa não muda nada em relação ao Campeonato Brasileiro deste ano, que será transmitido pela Globo e Bandeirantes. Os acordos que estão sendo negociados valem para a exibição das partidas a partir de 2012.
 

Leia tudo sobre: CadeClube dos 13GloboFábio Koff

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG