Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Brasil finalizou mais contra o Paraguai, mas sem direção

Segundo números do Footstats, Mano Menezes tem razão quando diz que time criou mais - só que mais da metade para longe do gol

Marcel Rizzo e Paulo Passos, enviados iG a Los Cardales |

Reuters
Mano Menezes gesticula na queda do Brasil; seleção criou, mas perdeu as chances de gol
Mano Menezes tem razão quando afirmou que a seleção brasileira criou chances de gol como nunca na Copa América da Argentina na partida contra o Paraguai, que eliminou o Brasil nas quartas de final. Comparando com os outros três jogos, o time chutou mais, mas não marcou e acabou sendo derrotado na decisão por pênaltis , quando errou as quatro cobranças (Elano, Thiago Silva, André Santos e Fred) e os paraguaios acertaram dois. Os números são do Footstas e estão disponíveis no aplicativo iG Esporte para Iphone e Ipad.

Tenha as estatísticas de graça no seu iPhone e faça comparações entre times e jogadores.

O time chutou mais, mas sem pontaria - foram 17 finalizações na partida de domingo, em La Plata, 11 erradas (que não foram em direção ao gol) e seis certas – falha de 64%. Na partida da fase de grupos contra os mesmos paraguaios, em jogo que terminou 2 a 2 em Córdoba , o Brasil teve seis finalizações, mas o aproveitamento de certas foi bem superior: cinco contra um errado (83% de acerto).

“Nosso time conseguiu colocar a bola no chão e atacar o Paraguai desde o primeiro minuto. Criamos as chances, tivemos jogadas ensaiadas bem efetuadas, mas na hora da conclusão falhamos. Por isso digo que tivemos uma evolução na competição, o primeiro passo é sempre a criação e já conseguimos algo. Agora temos que trabalhar a finalização”, disse Mano Menezes nesta segunda-feira.

Pato e Neymar foram os que mais finalizaram, três cada, mas o primeiro chutou duas em direção ao gol, enquanto o santista apenas uma. Outros sete jogadores arriscaram chutes, a maioria com pontaria ruim – somente Fred, Lúcio e Paulo Henrique Ganso chegaram perto do gol. O centroavante, por exemplo, venceu o goleiro, mas o zagueiro paraguaio Cáceres salvou em cima da linha.

“Parecia que tinha um muro na frente do goleiro paraguaio. Foi muito complicado”, disse Pato.
Contra o Equador, na única vitória nesta Copa América, a seleção finalizou 13 vezes, oito com direção certa ao gol e cinco para fora (61% de acerto). Na estreia, frente à Venezuela, foram 14 chutes e uma mira ruim como contra o Paraguai nas quartas: 10 erros e quatro acertos (71% de falhas).null

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG